Costa do Marfim

CEDEAO regressa a Abidjan

(Da Esq. para Dir.) Boni Yayi, presidente do Benin, Pedro Pires, presidente de Cabo Verde, Ernest Bai Koroma, presidente da Serra Leoa, e Laurent Gbagbo, em Abidjan, 28 de Dezembro de 2010.
(Da Esq. para Dir.) Boni Yayi, presidente do Benin, Pedro Pires, presidente de Cabo Verde, Ernest Bai Koroma, presidente da Serra Leoa, e Laurent Gbagbo, em Abidjan, 28 de Dezembro de 2010. REUTERS/Thierry Gouegnon

Os presidentes do Benin, Serra Leoa, e de Cabo Verde, Pedro Pires, vão, mais uma vez, tentar convencer Laurent Gbabgo a deixar o poder na Costa do Marfim.

Publicidade

Os três chefes de estado em representação da CEDEAO, Comunidade Económica para o Desenvolvimento dos Estados da África Ocidental, estão de volta à Costa do Marfim, para uma nova ronda de negociações.

A missão da CEDEAO deverá debater os vários acordos que foram oferecidos para o exílio de Laurent Gbagbo, aquando da primeira visita, a 28 de Dezembro de 2010.

O regresso dos 3 representantes da CEDEAO, está marcado para amanhã, Terça-Feira, à capital nigeriana, Abuja, para então comunicar ao Presidente Goodluck Jonathan, os resultados dos esforços diplomáticos.

Goodluck Jonathan, ocupa a presidência rotativa da CEDEAO, e será ele quem irá anunciar as medidas a tomar pelo conjunto dos países da região, relativamente a Laurent Gbagbo e à Costa do Marfim.

Justino Pinto de Andrade, analista político angolano, que já residiu na Costa do Marfim, comenta o posicionamento da CEDEAO na crise costa-marfinense.

Justino Pinto de Andrade, entrevistado por Liliana Henriques

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.