Tunísia

Tunísia em estado de sítio

Soldados tunisinos  vigiam a avenida  Habib Bourgiba em Tunis
Soldados tunisinos vigiam a avenida Habib Bourgiba em Tunis Fethi Belaid/ AFP

O caos e a desordem estão instalados na capital tunisina, e um pouco por todo o país, onde vigora o estado de emergência decretado, ainda antes da fuga para o exílio do ditador Ben Ali, no poder durante 23 anos.  

Publicidade

A Tunísia voltou a ser palco de violência durante este fim de semana. Apesar das autoridades interinas terem anunciado um aligeirar do recolher obrigatório, a situação depressa se transformou, com batalhas de rua entre o Exército e milícias fiéis ao Presidente deposto, El Abidine Ben Ali. Os confrontos acabaram com militares a tomarem de assalto o palácio presidencial de Cartago, nos arredores de Tunes, onde se refugiaram elementos da guarda presidencial de Zine  Ben Ali.

A Instabilidade que se vive na Tunísia está a ser acompanhada com preocupação no norte de África e no Médio Oriente. Diogo Noivo, especialista no norte de África, no Instituto português de relações internacionais e de segurança, entrevistado por Miguel Martins, fez uma análise da situação e reconheceu um possível alastramento da violência para os países vizinhos.

Som Diogo Noivo, Instituto português de relações internacionais e segurança

 

 Entretanto e apesar do cenário de violência, segue no país o processo de transição politica, com o primeiro- ministro Mohammed Ghannouchi a consultar os representantes dos partidos e da sociedade civil de forma a ser constituído um governo de unidade nacional, cuja composição deve ser anunciada, oficialmente, até ao final do dia de hoje.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.