Acessar o conteúdo principal
GUINÉ-BISSAU/ANGOLA

Angola reitera falta de legitimidade das autoridades da Guiné-Bissau

Georges Chikoti, Ministro das Relações Exteriores de Angola
Georges Chikoti, Ministro das Relações Exteriores de Angola Cristiana Soares/RFI
Texto por: RFI
3 min

O chefe da diplomacia angolana, Georges Chikoti, no final da sua visita a Itália, reiterou a rejeição da União Africana, da CPLP e do seu país relativamente às autoridades de transição da Guiné-Bissau. Uma posição que ocorre quando um dirigente guineense apelara à retoma da cooperação com Angola.

Publicidade

O secretário de Estado guineense da segurança e ordem pública, Basílio Sanca, criara alguma surpresa na quarta-feira quando apelara em São Domingos, no norte do país, à retoma da cooperação com Angola.

E isto escassas semanas após a partida da Guiné-Bissau das tropas angolanas da MISSANG.

A presença das tropas angolanas em território guineense fora evocada pelos golpistas como a principal causa do levantamento militar de 12 de Abril que derrubou o governo e o presidente interino do país.

Georges Chikoti, ministro angolano das relações exteriores, confirmou nesta quarta-feira em Roma que a cimeira de Julho da CPLP (Comunidade dos países de língua portuguesa) em Maputo deverá pronunciar-se sobre a Guiné-Bissau sobre a qual existe por parte de Angola e de outros países lusófonos uma "rejeição automática" devido à respectiva falta de legitimidade.

Georges Chikoti, chefe da diplomacia de Angola

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.