MOÇAMBIQUE

Moçambique: Renamo acusa o governo de querer "eliminar" o partido

noticias.sapo.mz

O principal partido da oposição de Moçambique acusa o executivo de querer eliminar esta força política e os seus dirigentes. A Renamo ameaça reclamar a devolução das suas armas às Nações Unidas.

Publicidade

Em conferência de imprensa, esta sexta-feira, Fernando Mazanga, o porta-voz da Renamo disse que o governo "pretende acabar com a vida de Afonso Dhlakama", o presidente da principal formação da oposição, e que tem intenções de "eliminar fisicamente" o partido. As acusações surgem um dia depois da primeira ronda negocial entre o executivo e a Renamo para encontrar uma solução à tensão que se vive em Moçambique. O maior partido da oposição exigiu a presença de facilitadores internacionais para mediar o conflito, mas a delegação governamental exigiu que fossem dadas mais precisões até hoje. O correspondente em Maputo, Orfeu Lisboa, faz o resumo da situação.

Orfeu Lisboa, Correspondente em Maputo

Por outro lado, a Renamo anunciou que vai enviar uma carta às Nações Unidas para reclamar a devolução das suas armas, entregues ao governo moçambicano após o fim do conflito armado em 1992. Fernando Mazanga acusou o governo de estar a usar essas armas e acrescentou, também, que o desarmamento dos 15 ex-guerrilheiros que, ontem, escoltavam o secretário-geral, foi uma "provocação grosseira à estabilidade do país".

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.