Guiné-Bissau

Ramos Horta mostra-se confiante no futuro político da Guiné-Bissau

José Ramos-Horta, representante da ONU na Guiné-Bissau
José Ramos-Horta, representante da ONU na Guiné-Bissau Martin H. / Wikipédia

José Ramos-Horta acredita que a situação política no país se defina na próxima semana. O representante da ONU na Guiné-Bissau acrescenta que se tudo correr como previsto, haverá uma conferência de doadores em 2014 para apoiar o país.

Publicidade

As declarações foram feitas depois de José Ramos Horta se ter reunido, esta manhã, com o presidente da Assembleia Nacional Popular, Ibraima Sori Djaló. Neste encontro o representante da ONU na Guiné-Bissau deu conta das diligências que fez na recente viagem a Nova Iorque, e de quem recebeu informações sobre o evoluir da situação política no país.

Nos últimos tempos, atendimento à situação política que se vive no país desde o golpe de Estado e da formação de um Governo de transição, a Comunidade Internacional tem estado a exigir ao país a formação de um Governo mais inclusivo, a aprovação de uma agenda de transição e a realização de eleições.

Exigências que parecem estar no bom caminho, segundo Ramos Horta, os políticos, sociedade civil e militares já se entenderam quanto à data para a realização das eleições, faltam agora os dois pontos, todavia o representante da ONU na Guiné-Bissau reconhece os esforços que estão a ser feitos pelos dois principais partidos políticos, PAIGC e PRS.

Recorde-se que o Presidente de transição, Serifo Nhamadjo, deverá chegar hoje ao país, pelo que Ramos-Horta acredita que até à próxima semana será anunciado um novo executivo e o roteiro de transição, para que posteriormente seja assinado "um pacto de regime para o pós eleições".

José Ramos-Horta , Representante da ONU na Guiné-Bissau

Com a colaboração do nosso correspondente em Bissau, Mussá Baldé

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.