Angola

Sobressaltos durante o funeral em Luanda do activista da CASA-CE morto no Sábado

Funeral do Manuel Hilberto Ganga
Funeral do Manuel Hilberto Ganga DR

As cerimónias fúnebres de Manuel Hilberto Ganga, membro do segundo partido de oposição CASA-CE, Convergência Ampla de Salvação de Angola, morto pela guarda presidencial angolana na madrugada de sábado, foram marcadas por incidentes.

Publicidade

Pouco depois de partir esta manhã do centro de Luanda rumo ao cemitério de Santana situado na periferia da cidade, o cortejo fúnebre foi impedido de avançar pela polícia alegando a ausência de autorização para uma marcha apeada. Dezenas de polícias formaram um cordão à volta dos participantes e dois canhões de água assim como dois helicópteros foram igualmente mobilizados para travar a marcha. Certas fontes indicam igualmente que foi usado gás lacrimogénio.

O cortejo no qual estavam nomeadamente o presidente da CASA-CE, Abel Chivukuvuku, o porta-voz do partido, Lindo Bernardo Tito, o porta-voz da UNITA, Alcides Sakala, assim como membros do Movimento Revolucionário, não pôde continuar a marcha e só teve a possibilidade de se dirigir ao cemitério de autocarro, após mais de duas horas de bloqueio. Ao contar o sucedido, um dos participantes, Adolfo Campos, membro do Movimento Revolucionário, refere que algumas pessoas foram alvo de espancamentos, designadamente Alcides Sakala, porta-voz da Unita.

Adolfo Campos, membro do Movimento Revolucionário

Refira-se que ontem a ONG de defesa dos direitos Humanos Human Rights Watch exigiu que as autoridades angolanas investiguem a morte de Manuel Hilberto Ganga sob as balas de membros da guarda presidencial no passado dia 23 de Novembro quando estava a colar cartazes perto do palácio presidencial. De acordo com a polícia, o activista terá sido morto ao tentar fugir, todavia, outros testemunhos dão versões discordantes do sucedido.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.