Moçambique

Nampula repetiu este domingo escrutínio autárquico moçambicano anulado de 20 de novembro

Comissão Nacional de Eleições em Moçambique
Comissão Nacional de Eleições em Moçambique CNE & STAE Moçambique

Fraca afluência às urnas no município de Nampula, onde se repetia este domingo, o escrutínio do dia 20 de novembro, anulado devido a irregularidades nos boletins de voto.

Publicidade

Os cerca de 250 mil eleitores moçambicanos da municipalidade de Nampula, a terceira cidade moçambicana, estiveram este domingo, 1 de dezembro, muito renitentes em ir às urnas, com muitos deles a dizer que essa repetição do escrutínio não servia para nada devido a uma certa confusão nas mesas de voto.

 

"Não queremos votar, declarou à imprensa uma eleitora moçambicana, reforçada nisso por outro eleitor, que se interrogou assim: para quê votar com toda esta confusão?".

 

Ainda durante a tarde, vendo que havia pouca afluência às urnas,  a governadora de Nampula, Cidália Xaúque, apelou os eleitores de Nampula, a exercerem o seu direito de voto, sublinhando que ela tinha votado "com certeza para que a democracia fosse uma realidade."

 

A repetição deste escrutínio no município de Nampula, para eleger o Presidente da autarquia e os membros da Assembleia municipal, surge após a anulação do escrutínio local do dia 20 de novembro, devido a uma série de irregularidades na impressão dos boletins de voto. 

 

 

De maputo, o nosso correspondente, Orfeu Lisboa.

 

Orfeu Lisboa, correspondente em maputo

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.