Angola

Autoridades Angolanas efectuam análise de sangue das famílias de Cassule e Kamulingue

Cartaz exigindo justiça pelas mortes de Isaías Cassule e de Alves Kamulingue
Cartaz exigindo justiça pelas mortes de Isaías Cassule e de Alves Kamulingue DR

As famílias de Alves Kamulingue e de Isaías Cassule assassinados nos dias 27 e 29 de Maio de 2012, foram esta segunda-feira ao hospital de Luanda para recolha de sangue e DNA, numa altura em que é desconhecido o paradeiro exacto dos restos mortais dos dois ex-militares.

Publicidade

Estas análises efectuadas no quadro das diligências da Procuradoria-Geral da República para a reconstituição dos factos, acontecem poucos dias depois desta instituição ter confirmado em comunicado na passada sexta-feira a morte dos dois cidadãos. No mesmo documento, esta entidade refere também que tem em mãos as confissões dos presumíveis autores dos crimes, mas desmente que os dois ex-militares tenham sido raptados durante ou no seguimento de uma manifestação contra o executivo, contrariamente à versão até agora veiculada junto da opinião pública.

William Tonet, activista dos Direitos Humanos e director do semanário "Folha 8" que tem dado bastante destaque a este caso, explicitou num artigo publicado na semana passada as presumíveis condições da morte de Alves Kamulingue e de Isaías Cassule. Ao avançar pormenores e até nomes de possíveis suspeitos, o jornalista escreve que Alves Kamulingue foi raptado por um grupo de indivíduos integrando elementos da segurança do Estado na zona do Hospital Militar de Luanda no dia 27 de Maio de 2012 e em seguida foi morto fuzilado. Quanto a Isaías Cassule, o director da "Folha 8" refere que ele foi raptado no Cazenga dois dias depois, a 29 de Maio de 2012, por um grupo exclusivamente composto por agentes da segurança do Estado que o terão levado para uma zona remota do Rio Dande. Em entrevista à RFI, William Tonet enuncia novamente estes dados e mostra-se convicto quanto à tese do rapto.

William Tonet, director da "Folha 8"

Ao sublinhar o contexto em que foi desencadeado o inquérito, William Tonet mostra-se céptico quanto à eventualidade dos responsáveis pela morte de Alves Kamulingue e de Isaías Cassule serem levados à justiça.

William Tonet, director da "Folha 8"

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.