Acessar o conteúdo principal
Moçambique

Dhlakama considera governo da Frelimo uma brincadeira

Afonso Dhlakama, durante uma reunião política nas últimas eleições de 15 de outubro de 2015
Afonso Dhlakama, durante uma reunião política nas últimas eleições de 15 de outubro de 2015 Cristiana Soares/RFI
Texto por: RFI
4 min

Afonso Dhlakama, líder da Renamo, não esperou vinte e quatro horas, para reagir à formação governo da Frelimo, que ele condenou, este domingo, 18 de janeiro, como sendo, uma brincadeira, que vai cair.

Publicidade

Efectivamente, Afonso Dhlakama, Presidente da Renamo, maior partido da oposição, condenou, num comício realizado, este domingo, 18 de Janeiro, na província do Tete, no centro de Moçambique, a formação do governo da Frelimo, ocorrida ontem, sábado, em Maputo.

 

Segundo o líder da Renamo, é um governo ilegal, pois a Frelimo ganhou as últimas eleições gerais, de 15 de outubro de 2014,  designdamente, as legislativas e presidenciais, com fraude massiva eleitoral, não passando , pois duma brincadeira, quer a tomada de posse, do Presidente eleito, Filipe Nyusi, que a formação do governo, que tem como Primeir-ministro, Carlos Agostinho do Rosário.

 

"Acreditem, em mim, tudo aquilo, que estão a fazer, de tomar posse, é pura brincadeira. Por isso, não podem atrapalhar-se; deixem os ladrões tomar posse, formar governo, mas vão recuar, não vão governar", lançou Dhlakama aos seus militantes e apoiantes, durante o comício de Tete.

 

Sobre as suas críticas directamente dirigidas ao Presidente Filipe Nyusi, o líder da Renamo, Afonso Dhlkama, disse o seguinte: 

 

"Já que o Nyusi, tomou posse, pensa que o Dhlakama, vai recuar, pensa que a Renamo, vai recuar,  eu quero vos dizer: NUNCA! Porque o problema, não é da meia dúsia dos comunistas da Frelimo, que vão decidir pelo futuro, de mais de 25 milhões", sublinhou o Presidente da Renamo, Afonso Dhlakama. 

 

A reportagem do nosso correspondente, em Maputo, Orfeu Lisboa.

 

Reportagem do nosso correspondente em Maputo, Orfeu Lisboa

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.