Acessar o conteúdo principal
Moçambique

Prisões moçambicanas superlotadas diz Instituto Judiciário

Prisões estão superlotadas em Moçambique, segundo Instituto de Apoio Judiciário
Prisões estão superlotadas em Moçambique, segundo Instituto de Apoio Judiciário DR
Texto por: João Matos
3 min

As cadeias moçambicanas estão superlotadas e muitos dos reclusos estão com penas expiradas, há muito tempo, sem dizer, que muitos, não passam, de doentes mentais, sem respeito pelos direitos humanos.

Publicidade

As cadeias e penitenciárias em Moçambique, estão com excesso, de reclusos, muitos deles, com penas, largamente expiradas, segundo, declarou, o Instituto de Patrocínio e Apoio Judiciário, IPAJ órgão vocacionado ao apoio jurídico a pessoas carenciadas.

Os responsáveis do IPAJ, mostram-se, assim, preocupados, com esta situação de haver nas cadeias moçambicanas, reclusos, com penas largamente expiradas.

A Penitenciária Agrícola de Manica, no centro do país,  é um claro, exemplo, desta situação, segundo, Justino Tonela, Presidente do IPAJ, que exige, por parte das autoridades penitenciárias moçambicanas, medidas, com vista à reposição da justiça. 

"Nós apercebemos deste tipo de situações, e temos lá, um gabinete, junto à Penitenciária Regional Agrícola de Manica, e portanto, logo, que forem detectadas situações deste género, os serviços de IPAJ , tomam conta, e digamos, corrigem, este tipo de situações anormais."

Estas declaraçõesa do Presidente do IPAJ, Justino Tonela, surgem depois duma visita, que uma sua equipa, acaba de fazer, à Penitenciária Regional de Manica, e no seguimento de denúncias, feitas  há duas semanas, pelo seu homólogo, da Comissão Nacional dos Direitos humanos.

Com a colaboração, do nosso correspondente, em Maputo, Orfeu Lisboa.  

 

Orfeu Lisboa, correspondente em Maputo

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.