Zimbábue/Julgamento

Acusados de matar leão ícone do Zimbábue serão julgados por caça ilegal

Cecil era um ícone do Zimbábue
Cecil era um ícone do Zimbábue Capture d'écran Youtube / Bryan Orford

Duas pessoas do Zimbábue acusadas de matar o leão Ceci, um dos mais famosos do país africano, serão julgados nesta quarta-feira (29) pelo tribunal de Victoria Falls por "caça ilegal". Segundo um comunicado, Theo Bronkhorst, um caçador profissional da empresa Bushman Safari é suspeito de sacrificar o animal na fazenda Antoinette, dentro da reserva de Gwayi, no dia 1° de julho de 2015.

Publicidade

Cecil, um leão de 13 anos, que era a verdadeira vedete do parque nacional de Hwange devido a sua juba preta, foi encontrado morto há duas semanas fora da reserva. A imprensa local divulgou que o leão foi decapitado e desmembrado.

A licença de caça de Bronkhorst foi suspensa "com aplicação imediata". Ele comparecerá ao tribunal ao lado de Honest Trymore Ndlovu, o proprietário da fazenda onde o leão teria sido abatido com sua autorização.

Rico turista estrangeiro

O caçador teria feito um acordo com Ndlovu para matar o leão", explica o comunicado do departamento dos parques nacionais do Zimbábue. A presença de um rico turista estrangeiro entre os caçadores, que foi publicada na imprensa, não foi confirmada.

A polícia investiga igualmente o filho do caçador, Zane Bronkhorst, suspeito de participar da caça. A família Bronkhorst gerencia a Bushman Safaris, uma empresa especializada em caçar leopardos, no norte do país, desde 1992, segundo a sua página no Facebook.

A caça é apenas autorizada no país em reservas privadas, segundo alguma cotas, mas nunca nos parques nacionais, como Hwange ou o Kruger, na África do Sul.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.