Acessar o conteúdo principal

Coronavírus pode ser transmitido pelo simples ato de respirar ou falar, dizem cientistas americanos

Homem utiliza máscara ao sair às ruas de Nova York, epicentro do coronavírus nos Estados Unidos.
Homem utiliza máscara ao sair às ruas de Nova York, epicentro do coronavírus nos Estados Unidos. AFP
Texto por: RFI
2 min

Ao que tudo indica, o simples ato de respirar ou falar pode propagar o novo coronavírus. É o que declarou um alto responsável científico do governo americano nesta sexta-feira (3), em um momento em que a Casa Branca se prepara para recomendar o uso de máscaras a toda a população.

Publicidade

A transmissão da Covid-19 pela expiração pode ser a explicação procurada durante os últimos meses para compreender a alta capacidade de contágio do vírus, já que pessoas assintomáticas seriam responsáveis por grande parte da propagação da doença. Até o momento, os cientistas haviam confirmado a transmissão da Covid-19 através de gotículas de saliva expelidas pela boca ou pela coriza nasal, mas jamais pelo ar liberado na expiração.

O diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, Anthony Fauci – conselheiro do presidente americano, Donald Trump, sobre a epidemia – afirmou nesta sexta-feira ao canal de televisão Fox News que "o vírus, na verdade, pode ser transmitido quando as pessoas estão apenas falando, além de quando tossem e espirram".

A afirmação de Fauci é baseada em resultados de pesquisas científicas realizadas nos Estados Unidos que consideram que a Covid-19 também é propagada quando o ar é expirado pelas pessoas.

"Os atuais trabalhos de pesquisa defendem a possibilidade de que a SARS-CoV-2 possa ser transmitida pelos bioaerosóis gerados diretamente pela expiração", escreve o presidente do comitê sobre as doenças infecciosas emergentes, Harvey Fineberg, em uma carta em nome de acadêmicos e cientistas americanos.

O especialista cita quatro estudos e sublinha que outras pesquisas seriam necessárias para a compreender o verdadeiro risco de contaminação da Covid-19 através da expiração. Se já se sabe que o vírus está efetivamente presente na respiração, ignorava-se, até o momento, que essa poderia ser uma via importante de transmissão.

O que dizem as pesquisas sobre o assunto

Em um estudo, pesquisadores da Universidade do Nebraska encontraram amostras do código genético (RNA) do coronavírus onde pacientes estavam isolados. Eles lembram que detectar essas partículas não é equivalente a encontrar o vírus inteiro.

Além disso, pesquisadores da Universidade de Hong Kong observaram recentemente que a utilização de máscaras reduziria a quantidade de vírus expelida pelos doentes, embora o teste tenha sido realizado com outros vírus e não com o SARS-CoV-2.

Já pesquisadores chineses colheram, em Wuhan, epicentro da pandemia, amostras do coronavírus no ar em diversos hospitais da cidade. Eles descobriram, por exemplo, concentrações elevadas da Covid-19 nos banheiros e salas onde os profissionais da saúde retiravam seus equipamentos de proteção.

Diante dessas novas evidências, autoridades sanitárias americanas se preparam para anunciar a utilização de máscaras em uma escala nacional.

"Não acredito que será obrigatório", afirmou Trump na quinta-feira (2). Em Nova York, o prefeito Bill de Blasio já pediu que os moradores cubram os rostos ao saírem nas ruas.

(Com informações da AFP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.