Latam anuncia suspensão de operações na Argentina por tempo indeterminado devido à pandemia

LATAM vai parar suas atividades na Argentina por tempo indeterminado devido à crise gerada pela pandemia do coronavírus.
LATAM vai parar suas atividades na Argentina por tempo indeterminado devido à crise gerada pela pandemia do coronavírus. AFP/File

A companhia aérea chileno-brasileira Latam anunciou nesta quarta-feira (17) que sua filial na Argentina suspenderá as operações por tempo indeterminado, alegando que, diante do cenário da pandemia, mantê-las é inviável.

Publicidade

"A suspensão das operações da Latam Airlines Argentina, por tempo indeterminado, obedece as atuais condições da indústria local, agravadas pela pandemia da Covid-19”, indicou em um comunicado a companhia aérea, alegando que um projeto sustentável não parece ser viável.

Após 15 anos de operações no país, a Latam Airlines Argentina deixará de voar em 12 destinos domésticos, enquanto quatro destinos internacionais - Estados Unidos, Brasil, Chile e Peru- continuarão sendo operadas por outras filiais da LATAM.

"É uma notícia lamentável, porém, inevitável. A Latam hoje deve focar na transformação do grupo para adaptar-se à aviação após a Covid-19", afirmou Roberto Alvo, CEO do grupo.

A notícia chega em meio à crise em que a Latam está enfrentando, fortemente afetada pelas medidas que restringiram seus voos nos países onde opera devido à pandemia do novo coronavírus.

Na Argentina, a companhia deixará de operar após anos de uma conflituosa relação com os governos e os sindicatos, sobretudo no mercado de cabotatem, que ocorre quando uma empresa estrangeira, em um voo de origem internacional, ao entrar num determinado país, faz transporte comercial em uma rota nacional. 

A empresa foi fundada em 2012 após a fusão da LAN chinela e da TAM brasileira. Antes da pandemia, voava para 145 destinos em 26 países. Possui mais de 42 mil funcionários e operou aproximadamente 1.400 voos diários antes da crise, transportando mais de 74 milhões de passageiros anualmente.

O grupo aéreo entrou com pedido de recuperação judicial em maio, nos Estados Unidos. Em abril, ela havia reduzido 95% de seus voos e em maio havia anunciado a demissão de 1.400 funcionários.

Com informações da AFP.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.