Acessar o conteúdo principal

Diante do aumento de casos de Covid-19, Maduro determina nova "quarentena radical" à Venezuela

Moradores de Caracas passam diante de mural com rostos do ex-presidente Hugo Chávez e do presidente Nicolás Maduro. 28 de julho de 2020.
Moradores de Caracas passam diante de mural com rostos do ex-presidente Hugo Chávez e do presidente Nicolás Maduro. 28 de julho de 2020. AFP
Texto por: RFI
3 min

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou no domingo (2) um novo e rígido lockdown para todo o país, com o objetivo de tentar frear a progressão do coronavírus. O número de casos confirmados ultrapassou 20 mil no fim de semana.

Publicidade

"Vamos realizar uma quarentena radical em toda a Venezuela", afirmou Maduro em uma alocução transmitida pela televisão estatal. O presidente fez um apelo para que toda a população participe dos esforços e continue aplicando as medidas  básicas de proteção para evitar a propagação da doença.

A "quarentena radical" da Venezuela é aplicada dentro de um sistema de lockdown chamado de "7+7", em vigor desde junho. Ele ocorre dentro de sete dias de confinamento total, seguidos por sete dias de flexibilização. O método permite que atividades de setores econômicos essenciais, como o da alimentação, saúde e segurança, não deixem de funcionar. 

Locais considerados de risco - como a capital Caracas, epicentro da Covid-19 no país - além dos estados de Miranda e La Guaira cumprem a "quarentena radical" desde 15 de julho. A partir de 10 de agosto, uma semana de "flexibilização" do lockdown será realizada em todo o país, garantiu o presidente venezuelano durante o pronunciamento. 

Maduro também fez um apelo para que os migrantes venezuelanos que voltarem do Chile, Equador e Peru o façam através de vias legais, para evitar mais contágios. Por fim, pediu a união do povo para combater o vírus. "Vamos ganhar a batalha contra o coronavírus. É tempo de união, de perseverança. Faço um apelo pela união para proteger a vida de nosso povo", reiterou. 

Mais de 20 mil contaminações

A vice-presidente venezuela, Delcy Rodríguez, anunciou no domingo 763 novos casos, além de cinco novos óbitos por coronavírus na Venezuela. O país registra, assim, o total de 20.206 contaminações e 174 mortes desde o início da crise sanitária. 

Segundo ela, 633 casos dizem respeito a transmissões comunitárias e 130 são "importados" da Colômbia, Equador, Peru e Chile. O maior número de contaminações foi registrado em Caracas, que atualmente conta com 3.354 casos ativos de Covid-19. 

Rodríguez destacou que entre os casos registrados, 79% são assintomáticos. Já as cinco novas vítimas fatais têm entre 29 e 66 anos. 

Com 30 milhões de habitantes, a Venezuela é acusada por Ongs humanitárias de dissimular números verdadeiros sobre as contaminações e mortes por Covid-19. Na última quinta-feira (30), Maduro reconheceu o aumento de casos, especialmente na capital: "O coronavírus anda como louco por lá". 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.