Acessar o conteúdo principal

EUA: conheça a região com a maior taxa de mortalidade por Covid-19 no mundo

Dakota do Norte, estado americano rural, registra as maiores taxas de mortalidade provocada pela Covid-19 no mundo.
Dakota do Norte, estado americano rural, registra as maiores taxas de mortalidade provocada pela Covid-19 no mundo. © RFI/Anne Corpet
Texto por: RFI
3 min

Mais de 12 milhões de pessoas estão contaminadas pela Covid-19 nos Estados Unidos. Mas o vírus não ataca o país de maneira equitativa. Os estados do centro assistem a uma progressão acelerada da epidemia nas últimas semanas e as regiões rurais, poupadas no início da crise sanitária, são as que mais sofrem atualmente. A reportagem da RFI visitou a cidade de Bismarck, na Dakota do Norte, um dos estados que registram os maiores índices de mortalidade ligados ao coronavírus no mundo.

Publicidade

Anne Corpet, enviada especial a Bismarck, na Dakota do Norte

Segundo um estudo de Harvard, a Dakota do Norte detém o triste recorde da pandemia. Com um óbito para cada mil habitantes, o estado tem a maior taxa de mortalidade do planeta.

Mas entrar em um restaurante na cidade de Bismarck é como ser transportado para um mundo sem pandemia. Os frequentadores se divertem numerosos em torno de uma mesa, alheios à realidade.

Na Dakota do Norte, o uso de máscaras de proteção passou a ser obrigatório há somente dez dias. No entanto, o acessório raramente é adotado.

Alguns defendem a questão das liberdades individuais, protegida pela Constituição americana. “É o meu direito constitucional”, lança uma mulher, que passeia sem máscara no hall de um hotel.

Outros se defendem com teorias sobre a eficácia da proteção. “Não podemos dizer que usar uma máscara protege contra a Covid”, afirma um homem em um posto de gasolina. “É como jogar areia um uma peneira”, defende, como se fosse um argumento científico.

Hospitais lotados

O resultado dessa atitude por ser sentido nos hospitais da cidade, lotados e nos quais médicos e enfermeiros não dão mais conta do fluxo de pacientes. “Essa ausência de preocupação com os outros é o que nos levou a números cada vez mais altos de contaminados. E é isso que nos preocupa,” avalia o médico David Field. “É duro, muito duro trabalhar de forma tão intensa todos os dias, o dia inteiro”, resume, visivelmente esgotado fisicamente.

Hospitais de Bismarck, na Dakota do Norte, estão cada vez mais lotados.
Hospitais de Bismarck, na Dakota do Norte, estão cada vez mais lotados. © RFI/Anne Corpet

Jason Kerry, 36 anos, acaba de sair do hospital. Após três dias no Centro de Tratamento Intensivo (CTI), ele tenta conscientizar os amigos. “Não importa o seu estado de saúde, e sim a maneira como o vírus te ataca. E eu espero que ele não afete o seu corpo como afetou o meu.”

Os Estados Unidos, país com maior número de mortos vítimas de Covid-19 no mundo, já registrou mais de 257 mil óbitos desde o início da pandemia. E o ritmo de contaminação continua acelerando.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.