Diante da popularidade de Trump entre eleitores conservadores, senadores republicanos se posicionam contra impeachment

O senador republicano Rand Paul é uma das principais vozes contra o julgamento do ex-presidente americano Donald Trump.
O senador republicano Rand Paul é uma das principais vozes contra o julgamento do ex-presidente americano Donald Trump. REUTERS - POOL
Texto por: RFI
4 min

Os senadores americanos prestaram sermão, na terça-feira (26), como jurados na perspectiva de um processo de impeachment de Donald Trump. No entanto, as chances de o ex-presidente ser destituído diminuíram devido à fidelidade dos eleitores conservadores.

Publicidade

Anne Corpet, correspondente da RFI em Washington 

O julgamento de Donald Trump começará em duas semanas, o que lhe dá tempo para preparar sua defesa. Para que o ex-presidente seja condenado, seria necessário que 17 republicanos se aliassem aos democratas. No entanto, poucos senadores conservadores devem ousar enfrentar a alta popularidade do ex-presidente junto a seu fiel eleitorado.

Essa tendência ficou ainda mais evidente durante a rejeição da acusação contra Trump na terça-feira pela maioria dos senadores republicanos. Apenas cinco representantes dos conservadores no Senado não apoiaram a pressão para rejeitar o caso antes do início do julgamento. 

Em pé, com a mão direita levantada, os senadores juraram servir à Justiça de maneira imparcial durante o processo de destituição. Mas logo depois de prestar sermão, o republicano Rand Paul já contestou a moção. Paul também questionou a constitucionalidade de um julgamento de impeachment em um momento em que Trump já deixou o cargo e afirmou que o processo "chegará morto ao Senado".

"Desde a quarta-feira passada, Donald Trump não ocupa nenhuma posição no governo. Ele é um cidadão comum. Anuncio, assim, minha objeção. Esse processo viola a Constituição e não está conforme", ressaltou. 

O chefe da nova maioria democrata, Chuck Schumer, rebateu: "A teoria segundo a qual a destituição de um ex-governante é inconstitucional é completamente falsa, qualquer que seja a análise: do ponto de vista do contexto constitucional, da prática histórica e do senso comum mais básico". 

Entre os 45 dos 50 republicanos que apoiam a legalidade do julgamento de Trump, está Mitch McConnell, que reconheceu a responsabilidade do ex-presidente da invasão do Capitólio em 6 de janeiro. No entanto, a probabilidade de que os conservadores apoiem a iniciativa é cada vez mais improvável. 

Trump prepara sua defesa

Em seu tradicional "refúgio" na Flórida, Trump se dedica ao golfe, seu esporte preferido, e estuda sua defesa no julgamento que deve ter início em 8 de fevereiro. O anúncio na segunda-feira (25) da inauguração do "gabinete do ex-presidente" em Palm Beach é uma clara demonstração de que pretende continuar na ativa. "O presidente Trump será para sempre um campeão do povo americano", afirmou, em comunicado.

De fato, o magnata conta com uma forte popularidade entre seus eleitores. Nas eleições de 3 de novembro, ele obteve 74 milhões de votos. Trump também afirma contar com US$ 70 milhões de fundos de campanha, e quer que os senadores republicanos pensem em seu próprio futuro antes de se atreverem a frustrar o seu.

Embora muitos republicanos estejam furiosos pela maneira como o ex-presidente incentivou seus apoiadores a invadirem o Congresso, os conservadores também querem recuperar a maioria do Senado e da Câmara dos Representantes nas eleições de meio de mandato de 2022 e a Casa Branca nas eleições de 2024.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo The Washington Post-ABC News em janeiro, quase seis em cada dez republicanos e independentes com tendências conservadoras acreditam que o partido deve permanecer sob a liderança de Trump.  

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.