Nova cédula de 1 milhão de bolívares venezuelanos vale menos que 1 dólar

As novas cédulas que entrarão em circulação no dia 8 de março na Venezuela.
As novas cédulas que entrarão em circulação no dia 8 de março na Venezuela. © Banco Central de Venezuela

A partir desta segunda-feira (8), as cédulas de 200.000, 500.000 e 1 milhão de bolívares venezuelanos começarão gradativamente a circular. Essas três novas notas não somam o equivalente a US$ 1 pelo câmbio oficial. A de um milhão, por exemplo, vale 0,50 centavos de dólar. 

Publicidade

Um quilo de tomate, oito pãezinhos, um refrigerante de 250 ml ou uma barra de sabão de baixa qualidade podem custar cerca de 1 milhão de bolívares em uma economia marcada pela inflação, que fechou 2020 em quase 3.000%, passando assim pelo quarto ano de hiperinflação.

“O problema em um ciclo hiperinflacionário é que a velocidade com que o Banco Central atualiza o cone monetário é muito mais lenta”, disse o economista Asdrúbal Oliveros.

“O Banco Central [da Venezuela] acaba de lançar uma cédula que terá o valor mais alto que não chega a 65 centavos de dólar. Mesmo com essas novas cédulas é possível que não se consiga realmente otimizar o sistema de pagamentos”, observa.

Bolívar substituído pelo dólar no país

O dinheiro em bolívares também é muito escasso e os usuários fazem longas filas nos bancos para acessar, no máximo, 400.000 bolívares, o limite para o saque.

O bolívar acabou sendo substituído pelo dólar, que se tornou a moeda de fato na Venezuela.

É comum que os preços de qualquer comércio venezuelano sejam transformados em dólares e os pagamentos sejam feitos em moeda estrangeira. O pagamento em moeda local normalmente é feito por cartão de débito ou transferência bancária.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, tem promovido a “digitalização total” dos pagamentos na Venezuela, incluindo o transporte público, atualmente o único setor onde prevalece o bolívar em dinheiro.

“Para isso, eles precisam ter um sistema tecnológico e logístico otimizado com o transporte que não têm, por isso retiram essas passagens para tentar amenizar um pouco o problema”, disse Oliveros.

O cone monetário foi estendido pela última vez em junho de 2019.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.