Guantánamo 20 anos depois: Ex-preso relata abusos e torturas do governo dos EUA

Prisão de Guantánamo.
Prisão de Guantánamo. AFP/Shane T. McCoy

Vinte anos após os atentados de 11 de setembro em Nova York, muitas questões permanecem em aberto, inclusive aquelas de centenas de detidos que foram transferidos à força para Guantánamo, o campo de detenção localizado na ilha de Cuba onde o governo Bush praticava a extraterritorialidade da lei: "Por que fui detido sem julgamento, sem desculpas, sem perdão, se fui declarado inocente?" Esta é a pergunta feita por Lakhdar Boumediene, que passou sete anos e meio em Guantánamo.

Publicidade

Por Véronique Gaymard

Lakhdar Boumediene morou em 2001 na Bósnia e trabalhou para o Crescente Vermelho, organização ligada à Cruz Vermelha. Preso junto com outros cinco argelinos suspeitos de planejar um ataque à embaixada dos Estados Unidos em Sarajevo, ele foi libertado após uma investigação de três meses na Bósnia que o inocentou.

Mas agentes norte-americanos da CIA o prenderam quando ele deixava o tribunal com cinco companheiros. “Durante três meses, fui detido em um centro de detenção em Sarajevo”, explica Lakhdar Boumediene. “As forças de segurança vasculharam a casa, a associação onde eu trabalhava, telefones celulares, telefones fixos, mas não encontraram nada. Apesar disso, fui mandado para Guantánamo. "

Guantánamo, a falha da Justiça usado pelo governo Bush

Em janeiro de 2002, poucos meses depois dos atentados de 11 de setembro, a base norte-americana de Guantánamo, na ilha de Cuba, foi transformada em um gigantesco campo de detenção durante a "guerra ao terror" lançada pelo governo Bush, uma guerra que nunca parou até 2021.

Para o governo norte-americano, tratava-se de usar esta grande prisão extraterritorial, onde nem a lei norte-americana nem a lei internacional deveriam ser aplicadas segundo o governo Bush, para aprisionar aqueles que o governo designava como "combatentes inimigos".

Por lá passaram 780 homens, e 39 ainda estão detidos sem julgamento. Os cinco acusados ​​de terem fomentado os atentados de 11 de setembro também são ouvidos novamente esta semana durante as audiências preliminares que estão paralisadas há nove anos nos tribunais, por causa da tortura utilizada em Guantánamo, o que torna qualquer julgamento impossível.

"Quase 20 anos depois, não esquecerei o dia em que abri meus olhos em Guantánamo"

Algemado, encapuzado, Lakhdar Boumediene foi transferido da Bósnia para uma base norte-americana secreta da Cia antes de ser enviado para Guantánamo no início de 2002.

“Não me esqueço! Já se passaram quase 20 anos, mas não esqueci. Já no dia da minha prisão foi muito difícil com torturas indiretas, chutes, algemas apertadas. Fui transferido para a Base Incirlik, creio eu, uma base aérea militar na Turquia. Depois fui transferido para Guantánamo. Até agora, não sei quantos dias, quantas horas, estive com os olhos vendados, com protetor de orelha e quando abri os olhos, estava numa jaula, como num jardim zoológico", relata.

Insultos, tortura, chutes

Boumediene é submetido a interrogatórios "minuciosos". Primeiro, enquanto está sentado nas gaiolas "como um animal em um zoológico", diz ele, sob o sol e o tempo inclemente no campo. “Todo mês, eu dizia a mim mesmo: talvez no próximo mês eles vão perceber a realidade, que eu sou inocente. Por um ano, conversei com os oficiais como um papagaio, sem parar. Mas depois de doze meses, parei de responder às suas perguntas", conta.

A partir de 2003, o programa de interrogatório endureceu. Lakhdar Boumediene se encontrava em confinamento solitário em uma cela de metal, com o ar condicionado desligado a maior parte do tempo. “Comecei uma greve de fome em 2003 por causa da tortura. Os interrogatórios multiplicaram-se, de manhã, à tarde e à noite, a cada vez com pessoas diferentes: soldados, civis, estagiários, mulheres, homens ... Entre os oficiais encarregados dos interrogatórios, um dos líderes me disse: 10.005 (que era o meu número, meu nome há 7 anos e meio), sabemos que você é inocente, mas precisamos que testemunhe contra duas pessoas que também estiveram em Guantánamo. Um deles estava na Bósnia comigo", diz.

Durante suas greves de fome, que ele interrompeu e retomou em 2006, os policiais o alimentaram à força, enfiando os tubos em seu nariz e as agulhas em suas veias. Para forçá-lo a parar a greve de fome, ele foi forçado a correr, rodeado por dois guardas que o arrastam porque suas mãos estavam algemadas e seus pés acorrentados. Seus pés arranhavam o chão e sangravam, seus joelhos batiam nas escadas de concreto, ferimentos dos quais ainda tem sequelas.

"Eu disse aos agentes: 'Vou comer, vou praticar esportes como todo mundo, mas primeiro me respondam: por que estou aqui? Uma resposta e paro minha greve de fome'. Por que eu estava em Guantánamo? Estamos em 2021, já se passaram quase 20 anos e ainda não sei por que estive em Guantánamo por sete anos e meio", denuncia.

"Boumediene contra Bush": uma decisão da Suprema Corte que mudou tudo

Foi graças à perseverança de Lakhdar Boumediene e dos advogados que o visitavam a cada dois meses que uma decisão do Supremo Tribunal Federal dos EUA foi finalmente bem sucedida em 2008, reconhecendo o direito dos detidos não acusados ​​de invocar justiça ao governo federal e de exigir sua libertação, ao contrário do que recomendava o governo Bush, que queria confiná-los em um uma falha legal, sem acesso à justiça, em detenção ilimitada e sem julgamento.

"Em 2004, o advogado me disse: 'Vamos levar George W. Bush, o presidente dos Estados Unidos, à Suprema Corte. O caso se chamará' Boumediene v Bush '." No começo eu recusei, porque eu era apenas um preso em um buraco, contra um presidente dos Estados Unidos. Ele disse: Não se preocupe, veremos no final quem ganha. Então eu aceitei", relata.

A decisão favorável da Suprema Corte, “Boumediene contra Bush” abriu um precedente e ficará gravada nos livros da lei, o único ponto positivo para Lakhdar Boumediene.

Foi um terceiro país, a França, que aceitou receber Boumediene em seu território. Quando ele chegou em maio de 2009, reuniu-se com sua esposa e filhos. A família cresceu. Aos 55 anos, ele é pai de cinco filhos e um avô. Apesar das grandes dificuldades em encontrar emprego, quer continuar a "construir a sua vida".

Hoje, ele não espera mais compensação do governo dos Estados Unidos. “Eu não me importo mais com isso. Mas espero que um dia finalmente ouça a palavra 'desculpas'. Espero que um dia alguém me diga "Senhor Lakhdar Boumediene, desculpe, pedimos desculpas porque você passou sete anos e meio em Guantánamo para nada". É uma parte da minha vida que perdi por causa deles", conclui.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI