Estados Unidos/ Islã

Obama condena projeto de queima do Alcorão e teme atos violentos

Moradores de Ahmedabad, interior da Índia, queimam bandeira dos Estados Unidos em protesto ao projeto do pastor Terry Jones.
Moradores de Ahmedabad, interior da Índia, queimam bandeira dos Estados Unidos em protesto ao projeto do pastor Terry Jones. Reuters

O presidente americano Barack Obama condenou nesta quinta-feira o projeto do pastor Terry Jones e de sua comunidade evangélica de queimar centenas de exemplares do Alcorão, livro sagrado dos muçulmanos, no sábado, dia 11 de setembro, data de lembrança dos atentados terroristas contra os Estados Unidos, em 2001.

Publicidade

Em uma entrevista à rede de tv ABC News, Obama disse que a proposta pode provocar graves atos de violência no Afeganistão e no Paquistão e colocar em risco a vida dos soldados americanos nos dois países. O presidente considera também que a queima do Alcorão só irá favorecer a Al-Qaeda, a rede terrorista responsável pelos atentados simultâneos que deixaram quase três mil mortos nos Estados Unidos em 2001.

"Espero que ele entenda que o o que está propondo é totalmente contra os nossos valores, nós americanos, que esse país foi construído com as noções de liberdade e tolerância religiosa", disse Obama durante a entrevista.

Diante da repercussão mundial do projeto do pastor evangélico, o departamento de Estado pediu que as embaixadas americanas avaliem os riscos que representaria para elas a queima de cerca de 200 exemplares do livro sagrado dos muçulmanos.

Na quarta-feira, o porta-voz da diplomacia dos Estados Unidos, Philip Crowley expressou a preocupação do governo com os cidadãos americanos viajando pelo mundo diante da possibilidade de que o grupo do pastor Terry Jones cumpra seus objetivos.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.