EUA/Legislativas

Partido de Barack Obama perde maioria na Câmara, mas conserva Senado

Militantes republicanos comemoram vitória no estado do Colorado.
Militantes republicanos comemoram vitória no estado do Colorado. REUTERS/Mark Leffingwell

Dois anos após ser eleito presidente dos Estados Unidos, Barack Obama e o partido Democrata norte-americano sofreram uma importante derrota eleitoral. Como indicavam as pesquisas de opinião, o Partido Republicano obteve, nas legislativas realizadas nesta terça-feira, 2 de novembro, maioria na Câmara dos Representantes.

Publicidade

No Senado, apesar da vitória dos republicanos em alguns bastiões chaves, os democratas mantém, por pouco, a maioria, conservando, principalmente, os estados da Califórnia e Nevada. Segundo os últimos resultados divulgados, os republicanos conquistaram 240 vagas contra 183 para os democratas na Câmara. No Senado, o Partido Democrata obteve 51 cadeiras contra 46 para os republicanos.

Os resultados das urnas representam, segundo especialistas, um voto sanção aos dois primeiros anos do mandato de Obama, marcado, principalmente, pela lenta recuperação da economia após a grave crise mundial, desencadeada com a quebra do Lehman Brothers, em 2008.

Para o professor de Ciências Políticas da Universidade de Massachusetts, Kevin Costa, Barack Obama conseguiu avanços importantes em seus dois primeiros anos de mandato, mas sua política não foi suficiente para diminuir o desemprego, principal motivo do descontentamento dos democratas nas urnas.

Os números também anunciam uma situação de bloqueio legislativo, onde uma das câmaras do congresso será controlada pela oposição e a outra, pela situação. A margem de manobra de Barack Obama para a segunda parte de seu mandato será, então, reduzida.

O presidente norte-americano vai ter que compor com a oposição e deverá, provavelmente, abrir mão de reformas que poderão acentuar a divisão política. Depois de confirmada a derrota democrata na Câmara, Obama telefonou aos principais líderes republicanos para pedir colaboração.

As legislativas desta terça-feira renovaram as 435 cadeiras da Câmara dos Representantes e 37 das 100 vagas do Senado. Os eleitores também escolheram governadores de 37 dos 50 estados norte-americanos

 Câmara dos Representantes

Com a votação desta terça-feira, os republicanos obtém, pelo menos, 20 cadeiras a mais do que o total de 218 necessárias para controlar a casa. Antes das legislativas, os democratas possuíam 255 cadeiras, contra 178 para a oposição.

Ainda sem a apuração totalmente concluída, o partido do governo perde, assim, cerca de 60 vagas na Câmara do Representantes, uma reviravolta que, nos últimos anos, somente pode ser comparada ao resultado das legislativas de 1994, quando os democratas perderam 54 cadeiras sob a presidência de Bill Clinton.

Até hoje, as maiores derrotas do Partido Democrata nas legislativas de meio mandato foram registradas em 1994, 1942 e em 1938, quando o New Deal do presidente Franklin Roosevelt custou 71 cadeiras na Câmara dos Representantes.

Na nova composição, a democrata Nancy Pelosi, primeira mulher a dirigir a Câmara dos Representantes nos Estados Unidos, deixa a presidência da casa, que deve ser ocupada, a partir de janeiro, pelo republicano John Boehner, de 60 anos. Eleito pelo primeira vez ao congresso norte-americano em 1990, Boehner passou os últimos 2 anos denunciando a política “assassina de empregos” do presidente Barack Obama e o estrondoso déficit orçamentário dos Estados Unidos que o deputado republicano atribui à política de  "estatização da economia" do atual presidente.

 Os democratas resistem no Senado

O Partido Democrata conserva uma estreita maioria no Senado, graças, principalmente, à vitória de Harry Reid no estado de Nevada, de Barbara Boxer, na Califórnia, e de Joen Manchin, na Virgínia. A vitória em Nevada é particularmente simbólica para os democratas, já que Reid travou uma disputa acirrada com a candidata apoiada pelo movimento conservador Tea Party, Sharron Angle.

A vitória dos democratas no Senado não será, entretanto, suficiente para abafar a escalada dos republicanos, que abocanharam pelo menos seis estados até então de maioria democrata : Illinois, Indiana, Arkansas, Dakota do Norte, Wisconsin e Pensilvânia.

Uma derrota também particularmente simbólica para o presidente Obama foi a perda da cadeira do estado de Illinois, que ele ocupava antes de ser eleito para ocupar a Casa Branca. Segundo os resultados, ainda parciais, os democratas perderam 6 cadeiras no Senado, obtendo 51 vagas, contra 46 para a oposição.

Estados

Menos mediatizada, a votação para o governo de 37 estados também indicam vitória dos republicanos, que recuperam, pelo menos, 9 estados até então dirigidos pelos democratas, entre eles Kansas, Michigan, Ohio, Iowa, Pensilvânia e Tenessee. Já os democratas conservam, principalmente, os estados de Nova Iorque, Massachusetts e Califórnia.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.