EUA/atentado

Coautor do atentado de Boston é enterrado em local secreto

Habitantes protestam em frente ao necrotério onde estava o corpo de Tamerlan Tsarnaev,em 2 de maio de 2013.
Habitantes protestam em frente ao necrotério onde estava o corpo de Tamerlan Tsarnaev,em 2 de maio de 2013. REUTERS/Jessica Rinaldi

O corpo de Tamerlan Tsarnaev, um dos autores do atentado de Boston, que deixou três mortos e 264 feridos, foi enterrado nesta quinta-feira (9), segundo a polícia. O local foi mantido em segredo pelas autoridades americanas. A cidade de Cambridge, onde ele vivia, se recusou a receber o cadáver.

Publicidade

Até o final de semana, nenhum cemitério no estado de Massachusetts queria receber o corpo do jovem de 26 anos, de origem chechena, que estava em um necrotério em Worcester desde o dia 18 de abril. No dia 2 de maio, manifestantes chegaram a pedir, em frente ao local, que o cadáver fosse enviado de volta ao Daguestão, como também sugeriu um de seus tios que vive nos Estados Unidos. A polícia de Worcester manteve em segredo o nome da empresa que aceitou organizar o funeral e não deu detalhes sobre o local que receberá o corpo.

Tamerlan Tsarnaev é suspeito de ter detonado duas bombas na linha da chegada da maratona de Boston, no dia 15 de abril. Ele morreu três dias depois, depois de uma grande mobilização da polícia. Durante o confronto com os policiais, ele foi atingido por diversos tiros, e também não teria resistido aos ferimentos depois de ter sido atropelado pelo carro de seu irmão mais novo, Djokhar, 19 anos, que tentava fugir do cerco policial.

Dojkhar foi preso no dia 19 de abril, e levado para um hospital a cerca de 60 quilômetros de Boston. Acusado de utilizar armas de destruição massiva, e de ser considerado culpado de 'destruição com intenção morte', ele pode ser condenado à pena capital.

Interrogado pelos investigadores, ele assegurou que ele e o irmão não tiveram nenhuma ajuda externa, e que Tamerlan foi o idealizador do atentado. A Casa Branca também anunciou que Djokar, que tem a cidadania americana, não será considerado como um ‘combatente inimigo.’ A categoria, criada depois atentados de 11 de setembro de 2001, impede que estrangeiros que obtiveram a naturalização sejam julgados por comissões militares, como explicou o porta-voz da presidência, Jay Carney.

Falta de coordenação

O chefe da polícia de Boston, Edward Davis, criticou nesta quinta-feira a falta de cooperação entre os serviços secretos e a polícia durante o atentado de Boston. Em depoimento aos representantes da comissão sobre segurança nacional da Câmara, ele reconheceu que a polícia de Boston não estava a par da radicalização dos irmãos Tsarnaev, informações que estavam em poder do FBI. Entre elas, a viagem de Tamerlan à Tchechênia, por exemplo, ou seus hábitos na Internet, onde ele postava vídeos de propaganda islâmica.
 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.