Acessar o conteúdo principal
Estados Unidos

Colegas de policial assassinado protestam contra prefeito de Nova York durante funeral

Prefeito de Nova York, Bill de Blasio, foi criticado pela polícia da cidade.
Prefeito de Nova York, Bill de Blasio, foi criticado pela polícia da cidade. REUTERS/Mike Segar
3 min

Milhares de policiais vindos de diferentes regiões dos Estados Unidos se reuniram neste sábado (27) nos arredores de uma igreja no distrito de Queens, em Nova York, para o funeral de um de seus dois colegas assassinados na semana passada. O vice-presidente do país, Joe Biden, e o prefeito da cidade, Bill de Blasio, discursaram no evento, que foi carregado de simbolismo por causa do momento tenso vivido entre a polícia e a comunidade negra americana.

Publicidade

Rafael Ramos e seu colega Wenjian Liu foram alvejados por pelo menos 20 balas no dia 20 de dezembro, enquanto estavam dentro de sua viatura, estacionada em frente a um conjunto residencial operário no distrito do Brooklyn. Os dois policiais não tiveram tempo de reagir ao agressor, um desequilibrado de 28 anos, Ismaaiyl Brinsley, que, em seguida, se suicidou em uma estação do metrô.

Antes do suicídio, no entanto, Brinsley escreveu na rede social Instagram que pretendia vingar a morte de dois homens negros mortos pela polícia nos últimos meses.

As costas ao prefeito

O duplo homicídio chocou os 35 mil policiais de Nova York que, em parte, culpam o prefeito Bill de Blasio. Para eles, De Blasio não teria apoiado o suficiente a categoria quando das manifestações contra a polícia ocorridas depois da morte de Michael Brown, em Ferguson (Missouri), e de Eric Garner, na sua própria cidade. Ao contrário, Blasio chegou a dizer que temia pela segurança do próprio filho, que também é negro.

Centenas de oficiais viraram as costas aos telões que transmitiam o discurso de De Blasio, na igreja protestante Christ Tabernacle. O prefeito chamou o Rafael Ramos de heroi, “um homem de paz e amor” e apresentou duas condolências “a uma outra família, a da polícia de Nova York, que tanto sofre neste momento”, um sinal de reconciliação com as forças policiais. Enquanto a sua fala foi moderadamente aplaudida, os discursos do vice-presidente, do governador e do chefe da policia foram calorosamente recebidos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.