Acessar o conteúdo principal
Guatemala/Eleição

Vitória de ator no 1° turno na Guatemala mostra que eleitores não têm opção, dizem analistas

Com mais de 80% das urnas apuradas, o ator cômico Jimmy Morales vence 1° turno de eleição presidencial na Guatemala.
Com mais de 80% das urnas apuradas, o ator cômico Jimmy Morales vence 1° turno de eleição presidencial na Guatemala. REUTERS/Jorge Dan Lopez
Texto por: RFI
4 min

Segundo os primeiros resultados, o ator cômico e apresentador Jimmy Morales, candidato do partido conservador FCN-Nación à eleição presidencial na Guatemala, aparece com 25,8% das intenções de voto, com mais de 80% das urnas apuradas, e deve vencer o primeiro turno. Para analista político guatemalteco entrevistado pela RFI, "ninguém ousava acreditar" nessa possibilidade, o que causou "uma grande surpresa" no país.

Publicidade

Jimmy Morales, de 46 anos, não tem experiência política. Ele é conhecido do público na Guatemala pelo personagem cômico de um cowboy que se torna presidente por acaso. Morales conquistou o eleitorado com o slogan "não corrompido e não ladrão" e é visto como uma alternativa aos políticos tradicionais.

O analista Luis Fernando Mack, da Faculdade de Ciências Sociais da Guatemala, explica o resultado que muitos consideraram surpreendente. "Apesar de institutos de pesquisas terem previsto, ninguém ousava acreditar. Ele era um ator, e por isso era mais conhecido. Apesar de dizerem que é um empresário bem sucedido, não era famoso antes da eleição", avalia.

Para Mack, a vitória do comediante no primeiro turno reflete a falta de candidatos na eleição. "Acho que as pessoas votaram nele pensando: não temos outra opção e seguindo um famoso ditado no país, votamos no 'menos pior'", reitera.

Já para o analista político Sandino Asturias, do Centro de Estudos da Guatemala, a escolha de Morales é uma resposta à necessidade de procurar alguém fora do sistema, em um momento de repúdio à corrupção da classe política tradicional. "Jimmy foi o único candidato que você pode chamar de externo ao sistema e que vendeu uma mensagem de 'nem corrupto nem ladrão', e as pessoas precisam disto", analisa.

Incógnita no segundo turno

O adversário de Morales no segundo turno ainda é uma incógnita. O magnata Manuel Baldizon, do Partido Liberdade Democrática, de direita, tem 18,6% dos votos. Logo depois, vem a social-democarata e ex-primeira dama Sandra Torres, que tem 17,9%. Nenhum dos três candidatos ficou perto dos 50% dos votos, marca necessária para vencer no primeiro turno.

A reta final da campanha foi tumultuada com a renúncia e a prisão do ex-presidente Otto Pérez Molina, acusado de chefiar um esquema de corrupção envolvendo a alfândega. O segundo turno da eleição presidencial da Guatemala está previsto para o dia 25 de outubro.

O futuro presidente, que deverá assumir em 14 de janeiro, terá a difícil tarefa de devolver a esperança à Guatemala, afetada pela pobreza em que vivem 54% de seus 15,8 milhões de habitantes e uma violência gerada pelo narcotráfico e por quadrilhas que contribuem com uma taxa de 39 homicídios para cada 100 mil habitantes.

Até que o novo presidente assuma, o ex-magistrado Alejandro Maldonado, de 79 anos, exerce a presidência do país. Ele ocupa o cargo desde o dia seguinte à renúncia histórica de Pérez, na última quarta-feira (2). "O povo deve castigar com o voto os candidatos que enganam", disse Maldonado ontem, depois de votar na capital.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.