Acessar o conteúdo principal

Disputa entre Maduro e oposição pode paralisar política venezuelana

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, discursa para partidários diante do palácio de Miraflores, em Caracas
O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, discursa para partidários diante do palácio de Miraflores, em Caracas REUTERS/Miraflores Palace/Handout via Reuters
Texto por: RFI
4 min

Ao contrário do que fez a oposição venezuelana em todas as eleições que perdeu desde a chegada de Hugo Chávez ao poder, em 1998, Nicolás Maduro aceitou a derrota nas últimas eleições legislativas, que garantiram à oposição dois terços do Parlamento.  Mas isso não deve diminuir as tensões na Venezuela. Lideranças da nova Assembleia falam abertamente da vontade de encurtar o mandato do presidente que, por sua vez, descarta qualquer possibilidade de anistiar 75 opositores que continuam presos no país.

Publicidade

"Não aceitarei nenhuma lei de anisita porque (esses prisioneiros) violaram direitos humanos", declarou Maduro em um discurso difundido na última edição de seu programa semanal. "A cada medida que a Assembleia tomar, nós teremos uma reação constitucional, revolucionária e, acima de tudo, socialista", garantiu o presidente. Na quarta-feira à noite, diante de centenas de militantes do partido bolivariano PSUV, fundado por Chávez, ele se disse disposto a comandar uma "revolução radical".

"Ou saímos deste lamaçal pela via revolucionária ou a Venezuela vai entrar em um enorme conflito que vai afetar toda a região da América Latina e do Caribe", discursou. Diante de partidários, ele recuperou a energia que pareceu perdida durante o pronunciamento de domingo em que reconheceu a derrota eleitoral. A oposição, reunida em uma coalizão de direita liberal, impôs a mais dura derrota ao chavismo, aproveitando-se de um contexto de crise econômica, agravada pela queda no preço do petróleo e uma inflação artificial do preço das importações, perpetrada por um empresariado abertamente hostil ao bolivarianismo.

Resistência interna a Maduro

O descontentamento, no entanto, não deriva somente da oposição tradicional de classe média, mas das próprias fileiras chavistas, como aponta a popularidade historicamente baixa do presidente. A impressão geral é que, se Hugo Chávez estivesse no comando, "as coisas seriam diferentes", como avaliou Omar Ochoa, funcionário da companhia petrolífera estatal PDVSA, entrevistado pela AFP durante a manifestação de apoio à revolução bolivariana diante da sede do governo. Para ele, Maduro foi negligente na gestão da crise econômica: "O chavismo tem muitos líderes, pessoas competentes, é preciso mudar, pensar em novas lideranças para salvar o projeto de Hugo Chávez.

Para alguns militantes, como Peregrina Roldan, "os eleitores se enganaram no domingo". Ela se referia ao fato de que, durante a campanha, a oposição chegou a usar a imagem ainda muito popular de Hugo Chávez, morto de câncer em 2013, para angariar votos. "(Ao votar em Maduro) eu votei por Chávez", garantiu, também em entrevista à AFP. Na quarta-feira, houve uma briga no centro de Caracas durante uma conferência de chavistas que se opõem a Maduro. Militantes "maduristas" invadiram a conferência para denunciar o que chamam de "falsos bolivarianos".

Paralisia política

Enquanto os socialistas brigam entre si, a oposição articula as medidas que tentará aprovar a partir de 5 de janeiro, quando a nova Assembleia assume suas funções. A primeira delas deve ser, justamente, a anistia do que os opositores chamam de "presos políticos". Entre eles, está Leopoldo López, líder do movimento golpista "saia agora", condenado a 14 anos de prisão por incitação à violência durante as manifestações de 2014, em que ao menos 43 pessoas morreram.

De acordo com a deputada eleita Delsa Solorzano, encarregada do projeto de anistia, a Assembleia está disposta a desconsiderar um provável veto do presidente e promulgar a lei por conta própria. Ou seja, o que se anuncia é uma sequência de quedas-de-braço que ameaçam paralisar a política venezuelana, em um movimento parecido com o que acontece hoje no Brasil. A julgar pelo caso do vizinho, Maduro pode em breve se ver obrigado a ver sua sobrevivência política no epicentro da briga parlamentar.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.