Acessar o conteúdo principal
Venezuela

Maduro dança salsa em público e se esquiva das críticas

O presidente da Venezuela e a primeira-dama dançam durante o programa "Em contato com Maduro"
O presidente da Venezuela e a primeira-dama dançam durante o programa "Em contato com Maduro" Captura de vídeo
Texto por: RFI
4 min

O presidente da Venezuela foi criticado por aparecer dançando salsa em seu programa de televisão. A aparição de Nicolás Maduro é vista por seus adversários como uma provocação diante do país se sofre com a crise e a escassez de alimentos.

Publicidade

"Dizem que estou louco porque danço salsa. Ah! Mas se Obama sai dançando, ele não é louco, é legal", queixou-se antes de tirar para dançar "Cilita, a bonita" – como chama a primeira-dama, Cilia Flores – em seu programa de TV, "Em contato com Maduro", nesta segunda-feira (20)

"Levantem a mão todos os que dançam salsa! Todos nos declaramos loucos", continua, provocando a euforia de um público de estudantes que, entre aplausos, incentivam. O presidente chegou a ficar na saia justa quando pediram para que tentasse alguns passos de “Punto, palito y me lo gozo", a dança sensual, na moda na Venezuela.

Essa não é a primeira vez que Madura dança diante das câmeras. Mas as críticas se intensificaram, após lançar, este mês, o programa de rádio "A hora da salsa" no dia em que seus opositores planejavam submetê-lo a um julgamento parlamentar, culpando-o pela crise. "É um ridículo. Debocha do povo. Nós nos sentimos ofendidos. Ao invés de gastar em programas, deveria trazer remédios", disse à AFP Euro Bermúdez, de 62 anos, ao sair de um banco após receber sua pensão.

Nas redes sociais circulam "memes" em que o presidente aparece dançando ao lado de uma vítima de um crime, em uma longa fila de pessoas à procura da comida escassa, ou ao lado de um casal que se despede porque um dos dois vai deixar o país.

Nova estratégia de comunicação

Maduro assegura que seus programas de televisão levam "a voz da verdade" e acusa os veículos nacionais e estrangeiros de se dedicarem a uma campanha contra o seu governo. "É uma revolução comunicacional", anunciou, ao explicar que aumentará sua presença em veículos tradicionais, nas redes sociais e até batendo de porta em porta. Como parte da estratégia, ele chegou a convidar à Venezuela o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.

"Em contato com Maduro", que era transmitido à meia-noite das terças-feiras, agora vai ao ar aos domingos, assim como o "Alô presidente", de seu antecessor, Hugo Chávez. O último programa durou quatro horas e contou com uma orquestra.

Já "A hora da salsa" é transmitida ao meio-dia pela rádio presidencial, no Facebook e no Periscope. Dura mais de duas horas e ali o presidente apresenta canções e fala tanto de música quanto de aumentos salariais e ações judiciais.

Por meio da dança, Maduro – ex-motorista de ônibus que completa 54 anos nesta quarta-feira (23) – tenta se aproximar de setores populares que o castigaram nas eleições legislativas de dezembro passado, segundo o psicólogo social Ricardo Sucre. "Quer se mostrar seguro e relaxado, não como alguém que vai cair do governo", analisa. Mesmo sem carisma, "Chávez o escolheu como sucessor porque consegue enfrentar as dificuldades sem aparentar nervosismo", concluiu.

Veja o vídeo de Nicolás Maduro dançando em seu programa de televisão

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.