Acessar o conteúdo principal

Senado americano aprova volta de debates sobre a Obamacare

Defensores da Obamacare invadem o gabinete do senador republicano de Nevada, Dean Heller, em Washington, em 10 de julho
Defensores da Obamacare invadem o gabinete do senador republicano de Nevada, Dean Heller, em Washington, em 10 de julho REUTERS/Kevin Lamarque
3 min

Submetidos a uma forte pressão de Donald Trump, os senadores americanos votaram a favor, nesta terça-feira (25), para relançar a promessa de abolir a reforma do sistema de saúde de Barack Obama.

Publicidade

"Grande dia para a saúde. Após sete anos de promessas, vamos em breve ver se os republicanos estão à altura ou não!", tuitou o presidente americano Donald Trump. A seu pedido, o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, organizou a votação após vários adiamentos desde junho. "A única maneira de mudar ideias e permitir aos senadores de apresentá-las, é debatendo. Isso implica votar a favor de um processo aberto de emendas", declarou o líder da Câmara Alta do Congresso.

A votação a favor supôs uma vitória para o mandatário Donald Trump, que ameaçou aos senadores de seu partido com duras represálias caso não levassem à frente essa medida, bloqueada há meses no Congresso. O senador republicano John McCain, diagnosticado na semana passada de um câncer de cérebro, foi aplaudido ao dar seu voto, que provocou um empate a 50. O vice-presidente Mike Pence foi o voto de minerva, competência prevista na Constituição.

Neste estágio, o voto desta terça-feira irá apenas abrir formalmente os debates sobre a abolição da lei democrata de 2010, conhecida como Obamacare. No Senado, nada pode ser discutido sem um voto processual. Mas um voto negativo marcaria, neste momento, o fim do caminho. Seria percebido como uma nova derrota para o presidente Donald Trump, que colocou seu peso na balança para que sua maioria mantenha sua promessa de campanha. "Cada senador que vote contra (o projeto de lei do Executivo) diz aos Estados Unidos que o pesadelo (do Obamacare) é aceitável", tuitou na segunda-feira (24) o presidente.

Mas a matemática do Senado é implacável. Dos 52 membros da maioria republicana, três declararam na semana passada que votariam "não" à moção. As três senadoras em questão são alvos de grande pressão da parte de Donald Trump, de vários grupos e de eleitores.

O que vai acontecer agora

Uma vez que o texto esteja na agenda, os senadores poderão fazer as emendas e reescrever toda a lei para "substituir" a reforma da saúde de Obama. Mas os republicanos moderados não querem uma reforma que defina um teto para o orçamento do Medicare, o seguro saúde público para os americanos pobres que cobre uma pessoa a cada cinco nos Estados Unidos. Eles são contra uma versão da reforma republicana que levaria ao cancelamento do Medicare para milhões de pessoas na próxima década.

Por outro lado, os conservadores exigem uma revogação de muitos aspectos do Obamacare, decididos a desregulamentar o mercado de seguros e reduzir o orçamento federal da saúde. "Embora haja divergências sobre a melhor forma de revogar e substituir o Obamacare, uma coisa é certa: os americanos esperam de nós que mantenhamos nossas promessas", repreendeu o conservador Ted Cruz, que votou a favor.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.