Arte urbana

Em decisão histórica, Justiça de NY indeniza grafiteiros

Reprodução de um grafitti da década de 1980 no metrô de Nova York
Reprodução de um grafitti da década de 1980 no metrô de Nova York Reprodução Twitter/ MetroCard NYC

Em uma histórica decisão que determina que a arte do grafite deve estar protegida pela lei federal americana, um juiz de Nova York concedeu uma indenização de US$ 6,75 milhões a 21 grafiteiros cujas obras foram apagadas por um investidor imobiliário em 2013.

Publicidade

Em sua decisão, o juiz Frederic Block concedeu o total máximo possível por danos e prejuízos, US$ 150 mil para cada uma das 45 obras eliminadas das paredes do galpão 5Pointz, no Queens.

Durante 20 anos, o investidor imobiliário Jerry Wolkoff convidou os grafiteiros deste grande complexo industrial, transformando-o, segundo o advogado dos grafiteiros, no "maior museu do aerosol do ar livre do mundo".

Mas, em 2013, Wolkoff pintou de branco suas paredes e, no ano seguinte, demoliu o prédio para permitir a construção de luxuosas torres residenciais por um valor de US$ 400 milhões.

Os 21 artistas entraram com um processo, argumentando que antes da chegada do trator demolidor deveriam ter a chance de resgatar sua arte aclamada internacionalmente e motivo de atração de turistas.

Eles se basearam em uma lei federal pouco conhecida, que protege os direitos dos artistas visuais e afirma que qualquer obra de arte deve ser protegida, desde que tenha sua qualidade reconhecida.

Eric Baum, advogado dos artistas, comemorou a decisão.

"A decisão é uma clara indicação de que a arte do aerosol está na mesma categoria que qualquer outra arte, e merece como as demais a proteção da lei federal", afirmou Baum. "A arte deve ser apreciada e não destruída", acrescentou.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.