Assembleia do FMI

Brasil alerta para risco de guerra cambial

Em Washington, o ministro Guido Mantega alerta para risco de que "guerra cambial" leva a uma "guerra comercial".
Em Washington, o ministro Guido Mantega alerta para risco de que "guerra cambial" leva a uma "guerra comercial".

A reunião do Comitê Monetário e Financeiro do FMI, (CMFI) que está sendo realizada em Washington, neste sábado, se propõe a dar uma atenção especial ao problema dos desequilíbrios cambiais ao redor do mundo. Os estados membros do Fundo devem chegar a um compromisso sobre as taxas de câmbio, que poderia passar por um procedimento de monitoramento das moedas, sob comando do FMI.

Publicidade

 Os Estados Unidos, primeiro contribuidor do Fundo, pressionam para que a instituição revise os procedimentos atuais e que adote normais mais eficazes para “puxar a orelha” de países que mantenham a moeda desvalorizada artificialmente.

Em seu discurso de abertura diante do CMFI, neste sábado, o secretário do Tesouro norte-americano, Timothy Geithner, afirmou que "uma acumulação excessiva de reservas em escala mundial leva a distorções graves no sistema monetário e financeiro internacional" , em uma alusão velada à China. Washington e os países europeus acusam Pequim de manter o yuan desvalorizado artificialmente, para beneficiar as exportações do país.

Brasil

O ministro brasileiro da Fazenda, Guido Mantega, que criou tensão ao definir o problema como uma guerra cambial, disse que se a questão não for solucionada, com um acordo entre os países, poderá gerar protecionismo, criando uma "guerra comercial".

Hoje, no discurso de abertura da Assembleia, Mantega chamou a atenção para a causa do problema que, segundo ele, se deve ao fato de que a crise mundial não foi adequadamente resolvida. Ele culpou as economias avançadas e advertiu que, em alguns casos, as maiores economias do mundo precisam "retomar políticas fiscais".

Além disso, para enfrentar o problema do câmbio, o FMI e o Banco Mundial insistem na necessidade de uma ação coordenada internacional. Tanto o ministro, quanto o presidente do Banco Central do Brasil, Henrique Meirelles, defenderam em Washington um acordo global sobre a questão cambial.

Mas enquanto Meirelles acredita que o acordo é pouco provável a curto prazo, Mantega se mostrou mais otimista. Ele acha que é possível chegar a um consenso na reunião do G20, que será realizada no mês que vem, em Seul.

Nesse contexto, o ministro afirmou, em seu discurso de abertura, que a reforma das cotas do FMI, que pode dar mais voz aos países emergentes, "é fundamental para que o Fundo não perca força" e possa enfrentar os problemas da nova ordem mundial.

 

Raquel Krähenbühl

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.