Voo AF 447

Familiares do voo 447 voltam a criticar autoridades francesas

Reuters

A associação Entraide et Solidarité, que reúne, na França,  familiares das vítimas do voo 447 da Air France que caiu no oceano Atlântico no dia 31 de maio de 2009, quando fazia a rota entre Rio de Janeiro e Paris, denunciou, neste sábado, a falta de definição sobre uma quarta fase de buscas pelos destroços do avião.

Publicidade

Em um comunicado publicado em seu site internet, a associação afirma que o lançamento de uma nova fase de buscas parece incerto. Depois de ter participado de uma reunião de informação na semana passada, com representantes do ministério francês dos Transportes e do BEA, o órgão que investiga as causas do acidente, a associação constatou que as respostas aos questionamentos levantados pelas famílias das vítimas foram "parciais e insuficientes".

Além das incertezas sobre as buscas pelos destroços do Airbus A330, a associação também critica a maneira "pouco transparente» e a "falta de rigor" na condução das três primeiras campanhas de busca.

"O BEA impôs a lei do silêncio aos experts responsáveis pelas buscas. Porque as investigações para encontrar os destroços, que o BEA tanto mediatizou na fase de preparação, devem agora ser um segredo, seja profissional, industrial ou militar ?, questiona a associação.

Na semana passada, quatro associações representando os familiares das vítimas, entre elas a associação brasileira, participaram, em Paris,  de uma reunião convocada pelo Comitê de Informação criado em junho deste ano pelo ministério dos Transportes.

Após a reunião, o presidente da associação brasileira, Nelson Marinho, chegou a afirmar que o BEA e o ministério haviam se comprometido com uma quarta fase de buscas, mas essa informação não foi confirmada pelas autoridades francesas.

Até agora, as causas do acidente com o voo 447, que causou a morte de 228 pessoas, não foram determinadas. Em um dos relatórios parciais divulgados sobre as investigações, a BEA determinou que falhas nos sensores Pitot da marca Thales, que medem a velocidade das aeronaves em voo, poderiam ser um dos fatores para explicar o acidente, mas não o único.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.