Acessar o conteúdo principal
Brasil/Expo 2020

Haddad confia na candidatura de São Paulo para Expo 2020

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad: "Não há derrota em uma disputa como essa"
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad: "Não há derrota em uma disputa como essa" Wikimedia Commons
Texto por: RFI
9 min

À véspera da eleição da sede para a Exposição Universal 2020, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, se disse confiante na candidatura da cidade, embora a balança pareça pender para as cidades de Izmir, na Turquia, e Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Aos olhos da maior parte da imprensa, a capital paulista corre por fora, junto com Ekaterimburgo, na Rússia.

Publicidade

Mas Haddad não acha que se possa fazer prognósticos fidedignos da escolha que será feita no fim da tarde desta quarta-feira, em Paris, pelos 167 países membros do Escritório Internacional de Exposições, ou BIE, na sigla em francês. Na opinião do prefeito, a imprevisibilidade se deve ao próprio formato da eleição: "Como tem tantas voltas quanto o número de países menos um, fica mais difícil ainda (traçar prognósticos)", avaliou Haddad, em coletiva de imprensa concedida nesta terça-feira na embaixada brasileira em Paris.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad

"Por exemplo, a proposta brasileira se aproxima muito da turca do ponto de vista conceitual; as outras duas são bem diferenciadas, têm outro tipo de apelo. Um apelo mais diplomático, mais ostensivo. Dependendo de quem sair no primeiro turno, pode-se mudar totalmente o contexto dos seguintes porque São Paulo e Izmir estão disputando na mesma linha", afirma.

De acordo com o prefeito, há, inclusive, "uma intenção de troca de votos num eventual turno em que um de nós não esteja". Ou seja, o perfil das candidaturas e a migração de votos podem ser absolutamente decisivos para a votação, que começará às 14h30 locais (11h30 em Brasília) e deve se estender até o final da tarde.

Haddad garantiu que as manifestações de junho não vão influenciar as escolhas dos membros do BIE: "Seria fácil jogar qualquer tipo de responsabilidade: 'apesar das manifestações, São Paulo ganhou' ou 'por causa das manifestações, São Paulo ganhou'", mas um argumento como esse, das manifestações, "não pega", afirmou o prefeito.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad

No entanto, a Copa do Mundo e as Olimpíadas, que o Brasil sediará respectivamente em 2014 e 2016, foram argumentos evocados contra a candidatura paulista. Mas isso também não tira o ânimo de Fernando Haddad: "Há países que já ganharam os três eventos numa única década. Isso não seria incomum, já aconteceu no passado. Mas é óbvio que esse é um argumento apresentado no jogo diplomático. Eu usaria como argumento, se estivesse concorrendo com alguém que tem já Copa e Olimpíada".

Haddad reconheceu que a campanha brasileira foi mais modesta do que as dos outros concorrentes do ponto de vista financeiro, mas exaltou o fato de que São Paulo baseou sua abordagem em parâmetros técnicos e esforços diplomáticos. Ao longo da conversa com os jornalistas, o prefeito afirmou seguidas vezes que o plano infraestrutural será mantido independentemente da vitória na concorrência. E afastou as insinuações de que haveria descontentamentos dentro de seu governo com relação ao projeto, herdado da gestão Kassab.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad

"O projeto é bom para Pirituba, é bom para São Paulo, é bom para o Brasil", garantiu. "É óbvio que uma Expo catalisa um processo muito forte: você consegue atrair os investidores com muito mais facilidade. Uma coisa é financiar esse projeto que é bom com Expo; outra coisa é financiá-lo sem Expo. As dificuldades de financiamento do projeto aumentam". Se ele tiver que ser repensado, será "à luz do que acontecer" na eleição, garantiu o prefeito, reiterando que não há nenhum problema técnico com relação à parte infraestrutural nem no que tange o Centro de Exposições que será construído em Pirituba para substituir o do Anhembi.

Haddad não confirmou se, em caso de derrota, a cidade de São Paulo apresentará uma candidatura para a Expo 2025, mas afirmou que a avaliação do processo será feita na quinta-feira, de volta ao Brasil. Aconteça o que acontecer, o saldo é positivo, na opinião do prefeito: "Não vejo prejuízo numa campanha dessa em nenhuma hipótese porque isso mobilizou a inteligência nacional, mobilizou arquitetos, planejadores urbanos, mobilizou um projeto que está posto... Numa disputa dessa natureza, não há derrota", concluiu Fernando Haddad.

Haddad 4

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.