Brasil/Eleições

Pesquisas apontam ligeira vantagem de Dilma Rousseff

Petista Dilma Rousseff está entre dois e três pontos à frente de Aécio Neves, dizem pesquisas
Petista Dilma Rousseff está entre dois e três pontos à frente de Aécio Neves, dizem pesquisas REUTERS/Ricardo Moraes

A pouco mais de 12 horas do início das eleições no Brasil, Dilma Rousseff e Aécio Neves estão em empate técnico, de acordo com pesquisa do Datafolha divulgada na noite deste sábado. Em relação à última pesquisa do Instituto, a candidata do PT oscilou um ponto para baixo e ficou com 52%, enquanto o tucano oscilou um para cima e agora tem 48% das intenções de voto. A mesma tendência se observou na pesquisa do Ibope, divulgada quase ao mesmo tempo, mas a vantagem da petista é maior: ela tem 53% contra 47%, de Aécio.

Publicidade

Com informações da enviada especial ao Brasil, Cíntia Cardoso

Nos votos totais, de acordo com o Datafolha, Dilma tem 47%, Aécio tem 43%. Brancos e nulos somam 5% e outros 5% não sabem em quem vão votar. O Datafolha ouviu 19.318 eleitores em 400 municípios brasileiros. Uma pesquisa divulgada um pouco mais cedo mostrou uma disputa ainda mais acirrada. O levantamento feito pelo MDA Pesquisa a pedido da CNT (Confederação Nacional do Transporte) indica que o tucano tem 45,3% das intenções de voto totais, enquanto a petista registrou 44,7%.

O Datafolha também mediu a rejeição de cada um dos candidatos. Um total de 41% dos entrevistados disseram que "não votariam de jeito nenhum" em Aécio, enquanto 38% rejeitam Dilma.

O Índice Band, da rede de televisão Bandeirantes, fez uma média ponderada das pesquisas do Ibope e do Datafolha. A conclusão é que Dilma tem 53% enquanto Aécio fica com 47%.

Instituto Sensus mostra vantagem para Aécio

O candidato do PSDB aparece na frente no levantamento do Instituto Sensus. Aécio Neves tem 54,6% das intenções de votos válidos contra 45,4% de Dilma. A pesquisa também mostra que, a dois dias da eleição, 11,9% do eleitorado ainda não sabe em quem votar. Se for considerado o número total de votos, a pesquisa indica que Aécio tem 48,1% e Dilma, 40%.

De volta ao lar

Depois de mais um debate agressivo na TV Globo, os candidatos à presidência do Brasil tiveram hoje seus últimos contatos com os eleitores antes da disputa deste domingo. O tucano Aécio Neves viajou a São João del Rey, onde visitou o túmulo do avô Tacredo. Sobre as pesquisas, o tucano disse que os institutos de pesquisa terão que, no futuro, rever suas metodologias. Mas disse estar confiante nessa reta final.

Dilma Rousseff, do PT, fez uma caminhada por Porto Alegre ao lado do candidato petista ao governo do Estado, Tarso Genro.

Lula: "Veja ultrapassou todos os limites"

Enquanto isso, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva fez uma caminhada por São Bernardo do Campo, em São Paulo, para apoiar a presidenta Dilma Rousseff. Ele afirmou que a petista vai ganhar nesse domingo, mas também  aproveitou para criticar a revista Veja, que adiantou a capa de sua edição do fim de semana para quinta-feira. A matéria principal afirma, baseado em um depoimento do doleiro Alberto Youssef, que teria dito à Polícia Federal que Lula e Dilma sabiam do esquema de corrupção dentro da Petrobras. Uma hora depois, o próprio advogado de Youssef disse desconhecer o depoimento - e seu teor.

Para o ex-presidente, que prometeu processar a Veja, a reportagem foi "criminosa" e ultrapassou "todos os limites": "Acho que o que a Veja fez foi uma demonstração de insanidade da imprensa marrom deste país, de um segmento da imprensa, que nós conhecemos muito bem, que tenta interferir no processo eleitoral. Eu acho que muitas vezes, a tolerância com o abuso de certo setor da imprensa vai permitindo que eles avancem cada vez mais e a Veja ontem chegou ao limite dos limites".

Lula afirmou que a Veja conseguiu fazer o "impossível": "Ela conseguiu inventar uma mentira, em que não tem ninguém dizendo absolutamente nada. É apenas a tentativa grotesca, inclusive de antecipar a tiragem, para ver se influía no restante da imprensa brasileira. É uma atitude de má fé, uma atitude leviana, uma atitude mesquinha".

Tranquilo, Lula garantiu que a Veja terá de explicar as acusações à Justiça. "Você vai conversar com os advogados, eles falam: 'Não adianta processar, deixa pra lá!' Mas eu acho que o que a Veja fez não pode ficar 'pra lá'. Eu acho que ela exagerou. A gente não pode nem chamar de imprensa marrom. Eu não sei se algum diretor da Veja, que fez aquela matéria ou editou, coloca a cabeça no travesseiro e consegue dormir um sono tranquilo. Eu acho que ele não dorme um sono tranquilo".
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI