Acessar o conteúdo principal
Correio dos Ouvintes para o Brasil

Correio dos Ouvintes traz o jeitinho brasileiro para a França

Áudio 10:44
Flickr
15 min

No programa desta semana você vai descobrir como encontrar serviços tipicamente brasileiros na capital francesa. Bateu aquela vontade de comer brigadeiro, de devorar uma coxinha bem apetitosa? Seu tablete quebrou e você gostaria de poder consertá-lo sem gastar os olhos da cara? Ou você precisa de dicas como bons médicos brasileiros na França ou mesmo adoraria saber onde fazer as unhas naquele capricho "made in Brazil"? Quatro internautas brasileiras ensinam o mapa da felicidade para os ouvintes se esbaldarem na cidade-luz, sem abrir mão do tradicional jeitinho brasileiro.  

Publicidade

Elas desesembarcaram há menos de uma década em Paris e, apesar das trajetórias diferentes, possuem algo em comum: a vontade de trazer um pouco do Brasil para a França. Marina Stroh Ibri, da La Brigaderie de Paris, Tatta Silva, do Dona Tatta, Patrícia Lima, da Fleur du Jour, empresa especializada em decorações para festas, e Alice Campos, fundadora do site de serviços para brasileiros Paris Pra Viver, cruzaram o Atlântico mas não esqueceram suas origens.

Formada em Relações Internacionais, Marina chegou à capital francesa para trabalhar numa agência da ONU. "Com o passar do tempo, abandonei meu posto nas Nações Unidas e decidi me dedicar à minha paixão, a culinária", explica a brasileira que se especializou em brigadeiros e doces típicos brasileiros. Para fazer um meio de campo com o gosto dos franceses, que preferem doces menos açucarados, Tatiana fez uma pesquisa e uma série de testes com diferentes níveis de cacau e outros produtos.

O resultado parece agradar a gregos e troianos, uma vez que as encomendas não param de chegar no balcão do La Brigaderie de Paris.

 
Mas os salgados e bolos temáticos brasileiros não foram esquecidos: "A coxinha é o número 1 de todos os pedidos", conta Tatta Silva, do Dona Tatta, brasileira que decidiu se dedicar à culinária depois de viver um momento difícil na capital francesa.

Outra especialidade do Dona Tatta, além das coxinhas, rissoles e do tradicional pão-de-queijo, são os bolo temáticos. "Os franceses preferem um recheio com sabor menos pronunciado, como baunilha, já o sucesso do público brasileiro é, sem sombra de dúvida, o nosso famoso "Prestígio", o bolo de chocolate com recheio de côco", explica Tatta Silva. Já a soteropolitana Patrícia Lima percebeu uma coisa que todo brasileiro entende logo que chega na França: as festas infantis não têm nada a ver com as nossas, sobretudo no quesito decoração.

Apostando neste filão de mercado, Patrícia criou a empresa Fleur du Jour, que entrega a decoração de festas sob medida, incluindo convites e lembrancinhas, e não somente para crianças - os adultos se tornaram público cativo da baiana. "Os franceses ficam loucos com o jeito brasileiro de apresentar os temas, temos um jeito único de decorar, que enche os olhos da freguesia", garante Patrícia Lima.

Para organizar todas essa informação e essa pletora de serviços para brasileiros em Paris, a cineasta Alice Campos, atualmente mestranda na Sorbonne Nouvelle - Paris 3, criou o site Paris Pra Viver.

Em questão de poucos cliques, o internauta acessa listas com indicações de profissionais para todos os gostos: médicos brasileiros, salões de beleza com profissionais brasileiros, técnicos em informática, reparação de produtos eletrônicos, veterinários, gastronomia, professores de francês, advogados, tradutores, baby-sitters, tem de tudo, um material coletado sempre através de indicações de internautas.

O processo colaborativo foi indexado por Alice. "A gente notava que já havia essa tipo de informação um pouco em lugares diversos, mas o nosso esforço foi o de organização e estruturação desta informação", explica a cineasta brasileira.
 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.