Acessar o conteúdo principal
Crise

Salvação do Brasil passa pela queda de Dilma, diz Le Figaro

Jornal Le Figaro defende saída de Dilma para acelerar a recuperação do Brasil.
Jornal Le Figaro defende saída de Dilma para acelerar a recuperação do Brasil. REUTERS/Adriano Machado
Texto por: RFI
2 min

Em mais um editorial sobre a crise política brasileira, o jornal Le Figaro afirma nesta segunda-feira (4) que "a salvação do Brasil passa pela queda de Dilma". O diário francês, de tendência conservadora, traça um quadro sombrio da situação econômica, política e social do país, mas destaca que a atual espiral negativa, embora gravíssima, pode ser superada.

Publicidade

No cenário global, de acordo com Le Figaro, o Brasil ainda conserva inúmeras vantagens competitivas: "tem um mercado de 210 milhões de habitantes, riquezas naturais, um excelente posicionamento para responder à demanda mundial e uma relativa proteção diante das ameaças estratégicas que emanam do terrorismo islamita". lém disso, possui US$ 370 bilhões em reservas e tem condições de acompanhar o crescimento da China, Rússia e Turquia. Porém, para ser bem-sucedida, a democracia brasileira necessita superar "o teste decisivo da polarização da opinião pública, a decomposição do sistema político e as ameaças ao estado de direito", avalia o diário.

Le Figaro faz duras críticas aos governos dos "últimos dez anos", que teriam criado um ciclo de crescimento sob bases frágeis. Isso faz com que, hoje, o Brasil esteja enfrentando "desastres em cadeia". A "calamidade" mais recente é a epidemia do zika e seus 5 mil bebês portadores de microcefalia, afirma o jornal.

"Deriva populista" de Dilma e Lula coloca o país em risco

Se por um lado é fato que a desaceleração econômica da China, primeiro parceiro comercial do país, e a queda nos preços do petróleo pegaram o Brasil na contramão, o governo "sacrificou os investimentos para alimentar o consumo", fomentando "um sistema de transferência de riquezas digno de um estado de bem-estar social europeu" − sem meios para sustentá-lo a longo prazo. Le Figaro critica a falta de política industrial, a baixa produtividade e um sistema de previdência social insustentável, que "prevê aposentadoria aos 54 anos, em média, para uma expectativa de vida de 75 anos".

"O naufrágio de Dilma e o desejo de Lula de concorrer às eleições de 2018 são sinais de uma deriva populista que poderia arruinar o Brasil", adverte Le Figaro. Isto "em um momento onde a Argentina de Maurício Macri rompe com a demagogia dos Kirchner", adotando reformas liberais. "A destituição da presidente Dilma Rousseff constitui a primeira etapa da reestruturação Brasil; quanto mais rápido isso acontecer, será melhor", conclui o diário.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.