Brasil

Em Nova York, Dilma diz que é vítima de golpe e lutará por seu mandato

A presidente brasileira Dilma Rousseff, ao assinar o Acordo do Clima de Paris na sede da ONU em Nova York, nesta sexta-feira (22).
A presidente brasileira Dilma Rousseff, ao assinar o Acordo do Clima de Paris na sede da ONU em Nova York, nesta sexta-feira (22). REUTERS/Carlo Allegri

Em coletivas de imprensa realizadas na sexta-feira (22) em Nova York, a presidente Dilma Rousseff se disse vítima de um golpe político no Brasil. A conversa de mais de uma hora com os correspondentes estrangeiros se deu no momento em queu ma luta pela narrativa do processo de impeachment ocorre na imprensa internacional.

Publicidade

Eduardo Graça, correspondente da RFI em Nova York 

No dia em que a presidente desembarcava na cidade, o vice-presidente Michel Temer teve perfil pouco elogioso publicado pelo The New York Times, ilustrado por imagem de protesto anti-golpe na frente de sua casa em São Paulo.

Nas duas coletivas concedidas ontem à imprensa estrangeira e brasileira, depois de um sóbrio discurso na ONU, Dilma aproveitou a oportunidade para dizer aos jornalistas que vai lutar pelo mandato.  As coletivas foram realizadas na residência do embaixador do Brasil na Missão da ONU, o ex-ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota.

Dilma destacou que se sente vítima de um golpe, mas não aceitará críticas dos que vêem seu aceno à comunidade e à mídia internacionais como um processo de auto-vitimização. Segundo ela, essa avaliação diminui a imagem da democracia brasileira no exterior.

Na conversa com os jornalistas estrangeiros, que ocorreu após a presidente almoçar e passear no Museu de Arte Moderna (MoMA), Dilma partiu, segundo matéria do New York Times, “para a ofensiva”. A presidente classificou seus opostiores de “golpistas” e “conspiradores”, sublinhando que serão julgados duramente pela História. Dilma também disse que “lutará com todas as forças para que o Brasil não se torne um país em que a lei e a democracia serão aviltadas”.

Dilma se emociona ao conversar com jornalistas brasileiros

Na conversa com a imprensa brasileira, Dilma repetiu alguns dos assuntos e avançou em outros, terminando a conversa em tom emocionado. Quando perguntada como sua família está reagindo à crise política que pode levá-la à perda do mandato, ela respondeu, com a voz embargada: “Imagine a dor deles”.

Caso haja a aprovação do processo de impeachment pelo Senado, a presidente disse que irá recorrer ao Mercosul e à Unasul, que preveem a suspensão de país onde ocorre ruptura democrática. O mecanismo foi utilizado contra o Paraguai em 2012, quando o ex-presidente Fernando Lugo foi deposto pelo Congresso.

A chefe de Estado também criticou os três ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) – Dias Toffoli, Celso de Mello e Gilmar Mendes – que se posicionaram publicamente contra a tese do golpe. "Eles não deveriam fazer manifestações públicas, pois poderão ter de me julgar no processo de impeachment. E trata-se da opinião de três ministros apenas, não do STF", afirmou.

Impeachment no Brasil é político e jurídico, diz Dilma

A presidente foi irônica ao analisar o debate no Brasil sobre o impeachment que, segundo ela, considera apenas parte da lei sobre crime de responsabilidade. "Não fiz nada de errado. Ao contrário dos que pretendem assumir o poder, tive 54 milhões de votos e jamais fui acusada de ter contas no exterior com dinheiro oriundo de corrupção. Me sinto injustiçada pelos que dizem que o impeachment no Brasil é político. Não. É político e jurídico e é isso que a Constituição diz."

Dilma também comentou o comportamento de seus opositores e parte da opinião pública brasileira. "Ninguém pode olhar para o presidente e dizer: 'Não gostei, então, agora encerramos tudo e vou assumir o poder', de forma indireta, sem eleição nem nada. Não é correto, é uma injustiça. Sou vítima por um processo absolutamente infundado, de um golpe que se dá não pela força das armas, mas das mãos. E se a presidente do Brasil é vítima de um processo ilegal, golpista e conspirador, imagine o que poderá ocorrer à população pobre do Brasil quando seus direitos forem afetados?", finalizou.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.