Vincent Cassel acredita que Brasil sofreu um golpe de estado

Ator francês Vincent Cassel, que está em Cannes, criticou processo de impeachment de Dilma Rousseff.
Ator francês Vincent Cassel, que está em Cannes, criticou processo de impeachment de Dilma Rousseff. REUTERS/Regis Duvignau
Texto por: RFI
3 min

Em entrevista à rádio France Inter, emissora de grande audiência, o célebre ator francês Vincent Cassel, que vive no Brasil e se considera um “carioca de adoção”, fala sobre a crise política brasileira, que viveu de perto nesses últimos meses.

Publicidade

Em conversa na manhã desta quinta-feira (19) com o apresentador Augustin Trapenard em Cannes, Cassel disse que o ato de impeachment da Presidente Dilma Rousseff “foi um golpe de estado”. Para ele, “um pequeno punhado de pessoas decidiu destituir uma presidente democraticamente eleita pela população”.
Vincent Cassel está em Cannes promovendo o filme Juste La Fin du Monde, do diretor prodígio canadense Xavier Dolan. O filme, que também traz no elenco Marion Cotillard e Léa Seydoux, será exibido em competição na noite desta quinta no Festival, e está concorrendo à Palma de Ouro.

No Brasil, Cassel se disse insatisfeito com o início do governo do presidente interino Michel Temer e afirmou ter ficado triste com o desmantelamento do Ministério da Cultura (MinC). Para ele o fim do MinC "dá medo", além de ser uma tentativa de amordaçar a classe artística brasileira. “Quando, de repente, se pede aos artistas para que se calem e damos menos recursos à categoria, é sempre um mau presságio”, declarou.

Garantia da laicidade

Ao ser perguntado sobre quais valores ele deseja proteger e pelos quais ainda vale a pena lutar, Cassel disse que seria a laicidade. Após a votação do impeachment na Câmara dos Deputados, quando a maioria dos parlamentares justificou os votos fazendo referência a questões religiosas, Cassel disse ter dado um novo valor ao significado de um estado laico.

Hoje, ele considera a laicidade como a única forma de manter os governos livres e separados de qualquer religião, seja ela qual for, e deve ser garantida pelo Estado. Sua preocupação sobre o assunto também cabe à França onde, segundo ele, o ideal de laicidade vem perdendo sentido. Para o ator, jamais se deve dar poder a pessoas que baseiam suas políticas em “coisas divinas”.

A insatisfação que viu refletida no povo brasileiro leva Cassel a acreditar que, nas próximas eleições, o país possa ter novamente um governo de esquerda. “O Partido dos Trabalhadores já pôs dois presidentes no governo e, com o caminho que está tomando o presidente interino, pode ser que consigam colocar mais um nas próximas eleições”, disse.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.