Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Rodrigo Maia é eleito novo presidente da Câmara dos Deputados

Áudio 03:46
Rodrigo Maia comemora a vitória na eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, na madrugada desta quinta-feira (14).
Rodrigo Maia comemora a vitória na eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, na madrugada desta quinta-feira (14). REUTERS/Ueslei Marcelino
7 min

Apoiado pelo presidente interino, Michel Temer, o democrata Rodrigo Maia é quem vai presidir a Câmara dos Deputados até fevereiro do ano que vem. O resultado saiu pouco depois da meia-noite desta quinta-feira (14), no horário de Brasília.

Publicidade

Luciana Marques, correspondente da RFI em Brasília

Rodrigo Maia, do DEM, venceu a disputa no segundo turno com 285 votos, contra 170 votos de Rogério Rosso, do PSD. Foram cinco abstenções. O candidato Marcelo Castro, do PMDB ficou em terceiro lugar.

O desafio do novo presidente será dar andamento às propostas do governo Temer para tentar conter a crise econômica. Em um discurso conciliador, ele defendeu o diálogo com os opositores do presidente interino, dizendo que uma oposição forte ajuda o governo a enxergar os erros.

Segundo o novo presidente da Câmara, a agenda é da maioria, mas a minoria precisa ser ouvida. A declaração tem o objetivo de tentar puxar votos de partidos como PDT, PCdoB e PR, que pouco antes haviam declarado apoio a Maia. Ele vai presidir a Câmara dos Deputados no lugar de Eduardo Cunha, que está afastado e não pôde participar da votação. A vitória de Maia também representa uma derrota de Cunha, já que ele era defensor da candidatura de Rosso.

Temer, padrinho de Maia

O grande padrinho de Rodrigo Maia foi Michel Temer. A cúpula do Palácio do Planalto saiu em defesa do democrata, com a ameaça de Marcelo Castro vencer a disputa. Apesar de ser do PMDB, Castro foi ministro da Saúde de Dilma Rousseff e votou contra o impeachment.

A candidatura de Maia foi turbinada com o apoio do governo e também de partidos como PSDB, PPS e PSB. Já prevendo a derrota, Rosso chamou Maia para um abraço durante o discurso, pedindo que trabalhassem juntos independentemente de quem saísse vitorioso. O adversário ficou constrangido.

O PT, que apoiou Marcelo Castro no primeiro turno, ficou num dilema. Ou votava em Rosso, aliado de Cunha, a pedra no sapato dos petistas, ou em Maia, que votou a favor do impeachment.

A bancada foi liberada, mas nos bastidores se sabe que boa parte dos petistas votou em Maia. Assim que saiu o resultado, deputados gritavam “Fora Cunha” . Maia se emocionou quando soube que seria o novo presidente da Casa.

Maia quase perde candidatura por motivo curioso

De última hora, os deputados ficaram preocupados com a possibilidade de Rodrigo Maia não conseguir os documentos para a candidatura. Ele nasceu em Santiago, no Chile, porque o pai, Cesar Maia, era exilado político na época da ditatura militar.

Para ser presidente da Câmara, é preciso ser brasileiro nato. Este é o caso de Maia, mas ele demorou a conseguir documentação na Embaixada do Chile. No fim das contas, o candidato apresentou a papelada que faltava.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.