Linha Direta

Defesa de Dilma no Senado poderá durar até a madrugada de terça-feira

Áudio 05:24
Dilma e Lula se reuniram no Alvorada na véspera.
Dilma e Lula se reuniram no Alvorada na véspera. reprodução twitter Dilma @dilmabr

A segunda e mais importante fase do processo de julgamento do impeachment da presidente Dilma Rousseff acontece nesta segunda-feira 29) com a presença da presidente no Senado para se defender pessoalmente das acusações de ter cometido crime de responsabilidade. Os aliados disseram que a presidente está segura e disposta a falar até a madrugada de terça-feira, se necessário.

Publicidade

Dilma tem seu depoimento marcado no Senado a partir das 9 horas da manhã. Ela deve falar durante meia hora, mas esse prazo pode ser estendido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que preside a sessão desse tribunal político. Na sequência, os senadores poderão fazer perguntas, sem direito à réplica, à presidente. Dilma Rousseff poderá responder ou não, e pelo tempo que julgar necessário.

Dos 81 senadores, 47 já tinham se inscrito para questionar a presidente. A sessão deve ser extensa, e muitos acreditam que pode durar até 15 horas. A acusação e a defesa também poderão fazer perguntas. Os aliados da presidente queriam intercalar os depoimentos, ou seja, a cada três ou quatro senadores pró-impeachment, um aliado iria tomar a palavra.

Não houve acordo e os senadores da base aliada de Michel Temer querem atuar em bloco. Ele se reuniram neste domingo no Senado para acertar o teor dos questionamentos que deverão ser duros. Na saída, Aécio Neves, do PSDB, disse esperar uma sessão serena e respeitosa, mas é a presidente que dará o tom por ser a primeira a falar: “Se houver exagero no tom da presidente, obviamente será respondida da mesma forma”.

Os aliados também se reuniram na noite deste domingo na casa da senadora Lídice da Mata (PT -BA) para acertar uma estratégia de defesa. O objetivo é intercalar as perguntas como explica a senadora Vanessa Grazziotin, do PCdoB do Amazonas: “Nós temos um problema no início da lista, do quarto até o décimo segundo da lista, e a gente quer ver se faz um escalonamento para equilibrar um pouco mais o jogo”.

Kátia Abreu começa

Certo até agora é que a senadora Kátia Abreu, ex-ministra da Agriculta e amiga de Dilma será a primeira a falar. Depois de pedalar pela manhã, a presidente passou o domingo no Palácio da Alvorada, preparando seu discurso, suas intervenções. E no final da tarde, recebeu a visita do ex-presidente Lula e do presidente do PT, Rui Falcão, conforme foto registrada nas redes sociais.

O conselho de Lula, segundo informações, seria no sentido de que a presidente adote um discurso menos técnico e mais focado nas realizações e nos avanços sociais dos governos petistas. A presidente recebeu telefonema de senadores aliados e falou com senadora Gleisi Hoffmann, ex-ministra da Casa Civil.

O advogado da defesa de Dilma Rousseff, o ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse ter orientado em relação às questões técnicas e jurídicas, e sem dar maiores detalhes, disse que Dilma Rousseff fará um discurso histórico.

Ela estará acompanhada de um grupo de até 35 pessoas, entre elas o ex-presidente Lula. A oposição à Dilma também poderá trazer o mesmo número de convidados.

Manifestações

A Esplanada dos Ministérios foi fechada pela polícia e barreiras foram instaladas para dividir os apoiadores e opositores da presidente Dilma. Diante da falta de recursos, a CUT e movimentos sociais disseram ter dificuldades para mobilizar muitos militantes. Não há estimativa ainda de quantos vão comparecer, mas existe um esquema de segurança para impedir confrontos.

Neste domingo, Michel Temer recebeu a visita do presidente do Senado, Renan Calheiros, que é do seu mesmo partido. Uma das interpretações é de que já existe uma articulação para preparar a posse, assim que o resultado do julgamento do Senado for definido. Nos últimos dias, os senadores da base aliada falam em pelo menos 60 ou 61 votos a favor do impeachment, bem acima dos 54 necessários, por isso, Temer já estaria preparando seu discurso e um pronunciamento à nação.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.