Acessar o conteúdo principal

Festival de Biarritz América Latina 2016 tem forte presença do Brasil

Público na abertura do festival para assistir "Neruda" em 25 de setembro de 2016
Público na abertura do festival para assistir "Neruda" em 25 de setembro de 2016 DR
3 min

De 26 de setembro a 2 de outubro, acontece em Biarritz o 25° Festival Biarritz América Latina, com mais de trinta filmes em competição, entre eles, nove brasileiros. A mostra atrai cerca de 35 mil pessoas, todos os anos.  

Publicidade

“Um ar de resistência e mesmo de revolta”. É assim que Lucile de Calan, da Comissão de Seleção do festival, define as escolhas desta edição. "Os filmes em competição colocam em cena personagens que se rebelaram contra algo, este é o ponto comum", diz Lucile, citando os longas "Neruda", filme do chileno Pablo Larrain, que abriu a mostra, "Aquarius", do brasileiro Kleber Mendonça Filho, cuja personagem principal enfrenta a violência cega do capitalismo contemporâneo, e "El amparo", de Rober Calzadilla, que enfoca a oposição ao exército.

A programadora estima que este 25° aniversário do festival é uma boa ocasião para se refletir sobre o espírito do cinema da América Latina. "Mais do que nunca é um convite à resistência, longe de toda resignação", observa.

O Brasil no Festival de Biarritz 2016

Cena do longa "A Cidade Onde Envelheço", de Marília Barbosa, em competição.
Cena do longa "A Cidade Onde Envelheço", de Marília Barbosa, em competição. Divulgação

Na programação deste ano competem dez longas, dez curtas e treze documentários. Clique aqui para conhecer a seleção completa.

O Brasil está presente com dois longas: A Cidade Onde Envelheço, de Marília Rocha; e Aquarius, de Kleber Mendonça Filho.

Nos curtas, estão Caminho dos Gigantes, de Alois Di Leo; Rosinha, de Gui Campos, e Ruby, de Luciano Scherer, Guilherme Soster e Jorge Loureiro.

A seção de documentários projeta quatro brasileiros: Cinema Novo, de Eryk Rocha; Fotograma, de Luís Henrique Leal e Caio Zatti; Jona e o Circo sem Lona, de Paula Gomes; e Uma Família Ilustre, de Beth Formaggini. Um documentário musical, fora de competição, também será apresentado: Xingu Cariri Caruaru Carioca.

A novidade é a chamada "Seleção Aniversário", em que cada membro da comissão de seleção indica um filme. "A escolha é subjetiva, é pessoal", explica Marc Bonduel, diretor do festival.

A Sociedade Recreativa Tropical bass, de eletro world, anima o concerto na noite de quinta-feira (29).

América Central no "Foco"

Todos os anos, a mostra escolhe um país ou uma região para apresentar sua produção cinematográfica. Desta vez, é a América Central a homenageada, com onze filmes da Nicarágua, Guatemala, Panamá e Costa Rica.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.