Acessar o conteúdo principal
RFI Convida

“Favela é o maior resumo do Brasil”, afirma ativista do Complexo do Alemão

Áudio 07:01
Ativista veio a Paris discutir violência policial
Ativista veio a Paris discutir violência policial Elcio Ramalho
Por: Marcos Lúcio Fernandes
10 min

Raull Santiago, nascido no Complexo do Alemão, veio a Paris participar de vários debates sobre segurança pública e institucionalização da violência policial. Compartilhando sua experiência pessoal, ele dialogou com jovens da periferia francesa e afirmou que é preciso que as favelas brasileiras sejam vistas além da ótica da violência.

Publicidade

Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima.

O ativista participa de diversos projetos em que ensina jovens das periferias a utilizarem novas mídias, como vídeos ou postagens nas redes sociais, para a produção de novas narrativas que possam dar uma outra imagem às favelas, fugindo do clichê do “lugar violento”. Segundo ele, é importante entender que a situação não nasce naquele local, mas vem do próprio Estado.

“Sou do Rio de Janeiro, moro numa favela, e desde sempre violência foi a única política pública que chegava até nós. A forma como nossos governantes nos trataram criou naquele lugar um espaço de violência. (...) A favela é um lugar muito potente. Todo dia, a favela acorda antes de amanhecer para fazer a cidade funcionar, movimentar as coisas”, afirma. “A Favela é o maior resumo de Brasil que eu conheço, você tem indígena, quilombola, nordestino, várias regiões do Brasil agrupadas. Isso é de uma riqueza tão grande”, defende o ativista.

Raull conta que, junto aos jovens, foi desenvolvendo formas de uso da tecnologia para denunciar a violência policial e utilizar a internet para pressionar o governo por políticas públicas. Além, é claro, de transformar a visibilidade da favela, mostrando até para os próprios moradores que é possível ver esse espaço com outros olhos.

Exemplo internacional

Desde sua chegada à França, Raull se deu conta de que os jovens negros franceses de periferia sofriam os mesmos abusos que os brasileiros. “O sistema de controle é muito forte. A polícia está sempre pedindo documentos, impedindo a liberdade de acessar a vida, os lugares, é muito similar. É triste como a estrutura de racismo controla sempre os mesmos corpos.”

Ele finaliza lembrando que não se deve confundir a denúncia dos abusos policiais com um “apoio ao crime”. “Quando você denuncia um mau funcionário público, você presta um serviço à sociedade. Ao mesmo tempo, tentamos mostrar que não é uma perseguição ao indivíduo, mas à estrutura na qual ele está inserido. O policial também vem da periferia e precisa de um trabalho, mas cai dentro de uma instituição que tem problemas históricos”, conclui.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.