Acessar o conteúdo principal

Jornal francês diz que obsessão de Bolsonaro pela economia é "aposta maluca" em meio à Covid-19

Jair Bolsonaro defende o retorno dos brasileiros ao trabalho, no momento em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que a suspensão precoce das medidas de distanciamento social causaria mortes em grande escala.
Jair Bolsonaro defende o retorno dos brasileiros ao trabalho, no momento em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que a suspensão precoce das medidas de distanciamento social causaria mortes em grande escala. AFP/File
Texto por: RFI
3 min

A insistência do presidente Jair Bolsonaro em menosprezar a gravidade da pandemia do novo coronavírus, multiplicando os apelos para que os brasileiros abandonem as medidas de distanciamento social e voltem ao trabalho, ganha reportagem de meia página no Journal du Dimanche (JDD), semanário que circula aos domingos na França.

Publicidade

Para a edição do JDD deste domingo de Páscoa (12), não há dúvida: Bolsonaro faz "uma aposta maluca" ao focalizar toda a sua atenção na economia. "Quando os mortos começarem a se acumular, ele será apontado como o único responsável", afirma o brasilianista Frédéric Louault, da Universidade Livre de Bruxelas, ouvido pela reportagem.  

O JDD mostra os esforços feitos por prefeitos e governadores brasileiros, particularmente os dirigentes de São Paulo, para ilustrar o quanto Bolsonaro se isolou nesta crise. "Aos 40 anos, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, enfraquecido por um câncer gravíssimo na cárdia (...) que a quimioterapia não consegue erradicar, instalou uma cama em seu gabinete para continuar coordenando os esforços contra a epidemia", descreve o JDD. "Ele sabe que não sobreviveria se contraísse a Covid-19", assinala o texto.

No estado de São Paulo, o mais populoso do país com 46 milhões de habitantes, a situação é terrível, prossegue o JDD. A região mais rica do Brasil já acumula a metade das mortes e dos doentes no país. O governador do Estado e o prefeito Bruno Covas começaram a preparar um plano de emergência desde janeiro, reforçaram as equipes médicas, elaboraram o plano de distanciamento social decretado na segunda quinzena de março, e montaram dois hospitais de campanha de 2 mil leitos cada, entre outras medidas para atenuar a crise sanitária. Se o confinamento não fosse respeitado, em seis meses o estado teria 110 mil mortes, calcula o Instituto de Pesquisa Butantan; 277 mil, caso nenhuma medida fosse tomada.

Mais leitos de UTI do que a França

No papel, o Brasil não figura entre os países mais despreparados para enfrentar a epidemia. Frédéric Louault assinala que o sistema público de saúde brasileiro é um dos melhores da América Latina. "No Rio de Janeiro, é o crime organizado, o Comando Vermelho, que organiza o confinamento nas favelas", observa.

Uma fonte europeia, que permanece anônima na matéria, destaca que o Brasil tem mais leitos per capita de UTI do que a França. Apesar disso, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, antecipou um déficit de pessoal médico e de leitos na fase aguda da epidemia. No Amazonas, os hospitais já estão saturados.

As evidências sobre a gravidade do coronavírus levaram governos no mundo inteiro a posicionar a saúde das populações como uma prioridade absoluta. Mas Bolsonaro passa os dias a incitar os brasileiros a voltar ao trabalho. A maior preocupação, hoje, são os 38 milhões de trabalhadores que sobrevivem com o comércio informal – 41% dos ativos no país. "Esta situação assinala a extrema fragilidade do Brasil diante da epidemia", indica o JDD. A única obsessão do presidente de extrema direita é evitar o desmoronamento da economia.

Bolsonaro passou a semana passada envolvido na queda de braço com o ministro Mandetta, mas sai da disputa com a credibilidade ainda mais arranhada. "A maioria dos governadores e congressistas já deram às costas ao presidente. (...) Ultimamente, até o Exército, coluna vertebral do poder, se distanciou", ressalta o correspondente Antoine Malo. Cada vez mais isolado, Bolsonaro se volta aos evangélicos, praticamente sua última base de apoio. A ponto de propor um jejum nacional para afastar o vírus, reporta incrédulo o JDD.

Tempos sombrios são propícios ao aparecimento de heróis nacionais. Atualmente, quem encarna este papel no Brasil é o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, constata o semanário francês.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.