Acessar o conteúdo principal

Com renúncia de Nelson Teich, "governo brasileiro entra em combustão", afirma El País

Nelson Teich renunciou ao cargo de ministro da Saúde na sexta-feira (15) devido a divergências com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, sobre a gestão da crise do coronavírus.
Nelson Teich renunciou ao cargo de ministro da Saúde na sexta-feira (15) devido a divergências com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, sobre a gestão da crise do coronavírus. REUTERS - Ueslei Marcelino
Texto por: RFI
2 min

A imprensa europeia repercute neste sábado (16) a renúncia de Nelson Teich do Ministério da Saúde do Brasil. O oncologista deixou a pasta na sexta-feira (15), por divergências com o presidente Jair Bolsonaro sobre a política adotada contra o coronavírus. Com a saída de um segundo ministro da pasta em menos de um mês, "o governo brasileiro entra em combustão", afirma o jornal espanhol El País. 

Publicidade

"A demissão é um divisor de águas no governo de um presidente investigado pelo Supremo Tribunal sobre ingerências políticas na polícia para proteger sua família", afirma a matéria do El País. "O governo do Brasil está em combustão em um momento extremamente delicado porque o coronavírus avança rapidamente. Já são mais de 14.800 mortos e mais de 210.000 contágios em um dos países que menos testes faz, de maneira que a real magnitude dos casos está notavelmente subestimada", reitera. 

"Menos de um mês e ele já foi embora", afirma o site do jornal francês Libération. O diário lembra que a renúncia de Teich ocorre menos de um mês após a demissão de Luiz Henrique Mandetta por Bolsonaro, em um momento em que o Ministério da Saúde é crucial. Libé também destaca que há poucas semanas o país foi sacudido pela saída do ministro da Justiça, Sérgio Moro, símbolo da luta contra a corrupção.

"A gestão de crise de Jair Bolsonaro resulta na queda de um segundo ministro da Saúde", afima o canal de TV France 24. A emissora destaca que o motivo de divergência entre Teich e o presidente foi o uso da cloroquina para tratar os contaminados pela Covid-19. O medicamento "cuja eficácia contra o coronavírus ainda não foi provada, pode provocar graves efeitos secundários", reitera. 

Contradições na gestão da crise

O jornal francês 20 Minutes publica que desde que Teich foi nomeado ao cargo, ele declarou seu "alinhamento total" a Jair Bolsonaro, uma posição que revisou devido às contradições entre os objetivos do oncologista e o presidente na gestão da crise. "O ministro se surpreendeu com o decreto, sem que ele fosse informado, que salões de beleza e salas de musculação permaneceriam abertos por serem considerados atividades essenciais", sublinha a matéria.

O diário britânico The Guardian classifica a saída de Teich como "abrupta". A renúncia "afunda ainda mais o Brasil que pena para encontrar uma resposta à pandemia". 

"A demissão é apoiada por médicos que trabalham no combate ao vírus", ressalta a matéria. O jornal entrevistou o médico Albert Ko, professor de epidemiologia na Escola de Medicina da Yale que a afirma que a decisão do oncologista foi baseada na "falta de liderança e governança" no Brasil.

"Perder dois ministros da Saúde terá realmente um impacto dramático na capacidade do país de responder à epidemia", avalia o especialista que tem uma grande experiência médica no país.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.