Acessar o conteúdo principal

Na ONU, Bolsonaro diz que Brasil é vítima de campanha de desinformação sobre a Amazônia

Bolsonaro começou seu discurso lembrando que a pandemia de Covid-19 ganhou o centro de todas as atenções ao longo
deste ano.
Bolsonaro começou seu discurso lembrando que a pandemia de Covid-19 ganhou o centro de todas as atenções ao longo deste ano. AP
Texto por: Luiza Duarte
4 min

Em discurso de abertura da 75ª sessão Assembleia Geral das Nações Unidas, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro rebateu críticas internacionais e alegou que focos de incêndio "são combatidos com rigor". O chefe de Estado também falou sobre a luta contra a pandemia de Covid-19 e pediu a proteção da liberdade religiosa.  

Publicidade

Luiza Duarte, correspondente da RFI em Nova York

O discurso gravado do presidente brasileiro foi transmitido de forma simultânea pelas redes sociais e em um telão dentro do grande salão da Assembleia Geral, na sede das Nações Unidas, em Nova York. Bolsonaro enumerou as ações do governo federal para combater a pandemia de Covid-19, como o auxílio emergencial e o investimento na produção de vacinas.

O presidente lamentou as mortes pela Covid-19 e disse à comunidade internacional que alertou, desde o início do surto, que o Brasil tinha dois problemas: a pandemia e o desemprego, e que ambos deviam ser tratados com a mesma responsabilidade. Ele acusou a imprensa nacional “de politizar o vírus, disseminando o pânico”, e lembrou que as decisões de confinamento no Brasil foram delegadas aos governadores.

O chefe de Estado também usou sua fala para saudar o agronegócio brasileiro que, segundo ele, “continua pujante” e que o país “contribuiu para que o mundo continuasse alimentado”. Mesmo assim, continuou Bolsonaro, “somos vítimas de uma das mais brutais campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal”.

Tolerância zero

A declaração é uma resposta às críticas internacionais que o governo brasileiro enfrenta diante do aumento de queimadas nessas áreas. “O Brasil desponta como o maior produtor mundial de alimentos. Por isso, há tanto interesse em propagar desinformações sobre o nosso meio ambiente”, insistiu.

Bolsonaro alegou que “focos de incêndio criminosos estão sendo combatidos” e que “a floresta é úmida e não permite a propagação de fogo em seu interior”. O presidente defendeu que o governo brasileiro tem uma “política de tolerância zero contra o crime ambiental”.

Cristofobia

Todos os anos, um chefe de Estado brasileiro é o primeiro a ter a palavra no principal evento do calendário das Nações Unidas. Durante seu discurso, Bolsonaro afirmou que o Brasil é um “país cristão e conservador”. “Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia”, disse ainda o líder, antes de falar da aproximação com Israel e os países árabes e felicitar o presidente americano, Donald Trump – que busca a reeleição em novembro – pelos acordos internacionais firmados no Oriente Médio.

A pandemia da Covid-19 fez com que, pela primeira vez em 75 anos, o principal evento das Nações Unidas acontecesse de forma virtual. Líderes mundiais enviaram com antecedência discursos gravados para serem transmitidos ao longo do Assembleia. Nenhum deles fez o deslocamento até Nova York, onde fica a sede da ONU. Nem mesmo Trump, que gravou um discurso direto da Casa Branca.

Os Estados Unidos são o país mais afetado no mundo pela pandemia, com cerca de 200 mil mortos e mais de 6 milhões de infectados pela Covid-19. Restrições de viagem estão em vigor e uma quarentena de 14 dias é exigida para entrar no estado de Nova York, que entre março e abril foi o epicentro da pandemia no mundo.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.