Site investigativo francês mergulha "no reino do agronegócio" brasileiro na Amazônia

Grande parte do deflorestamento amazônico vem do agronegócio.
Grande parte do deflorestamento amazônico vem do agronegócio. CARL DE SOUZA / AFP

O site investigativo francês Mediapart publicou na quinta-feira (29), a quinta parte de uma grande reportagem especial na Amazônia brasileira. Depois da "imposição da doutrina paranoica do regime militar brasileiro na Amazônia", ou "como o mito da Natureza infinita permite a economia da destruição", "Como a estrada e as obras abrem o caminho para o desmatamento" e "Amazônia: terra, fogo e violência", dessa vez os jornalistas franceses se debruçaram sobre o "reino do agronegócio"  brasileiro.

Publicidade

"O onipotente setor do agronegócio está se organizando para se apresentar como imprescindível no Brasil", afirma a reportagem do site investigativo francês Mediapart. Para a equipe de jornalistas franceses, trata-se "uma batalha de ideias e uma luta política que envolve campanhas publicitárias recorrentes e que tem dramáticas consequências ecológicas e sociais na Amazônia".

"Ao longo da BR-364 que corta o estado de Rondônia, o agronegócio está espalhando sua força até onde a vista alcança. Milhares de caminhões de transporte de grãos desfilam sem parar diante dos olhos do gado impassível", relata Mediapart. "A paisagem alterna entre pastagens, campos de cultivo e terras devastadas ou em vias de se tornarem. A entrada de cada pequena cidade é adornada com estátuas de vacas ou seus tratadores, acompanhadas de outdoors em apoio a Jair Bolsonaro", ilustra a reportagem, dando o clima local em Rondônia.

"Desamazonização"

"Com o novo presidente do Congresso [Arthur Lira] eleito no início de 2021, particularmente sensível aos seus temas, os ruralistas consideram o momento 'extremamente favorável' para avançar seus muitos projetos", diz o texto. O pesquisador Ricardo Gilson, da UNIR (Universidade Federal de Rondônia), entrevistado por Mediapart, afirma que “há um processo de 'desamazonização', a destruição é considerada um elogio ao progresso”, lamenta.

O site francês contextualiza dizendo que, "além de sua ofensiva política, os ruralistas aumentaram suas campanhas de comunicação. Eles não usam mais o termo 'negócios', renomeando-se apenas como 'agro', falam em 'agrocidadãos' com um discurso nacionalista e recrutando personalidades conhecidas, como o ex-jogador de futebol Pelé. Nessa batalha ideológica, triunfa a cultura do agronegócio, contra a cultura da floresta e de quem vive nela", afirma Mediapart.

Guerra de dados

Segundo o site francês, para apoiar essa nova doutrina, uma "verdadeira batalha sobre o controle de dados está em andamento". "Apesar do reconhecimento internacional, os dados dos satélites que monitoram o desmatamento são regularmente questionados pelo atual governo, e os funcionários do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) que os administram sofrem pressão do governo Bolsonaro", publica o site.

Mediapart faz questão de destacar que embora a contribuição do agronegócio para o PIB brasileiro seja inegável, o desenvolvimento prometido na verdade afeta apenas um pequeno número de beneficiários. “Existem mais de 5 milhões de agricultores no Brasil, mas 25 mil são responsáveis ​​por 50% do PIB agrícola”, diz Eduardo Assad, pesquisador da Embrapa, ao site investigativo.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.