Baixa adesão no protesto de 12 de setembro contra Bolsonaro mostra ausência de Frente Democrática

Manifestantes participam de protestos convocados por partidos de centro-direita para destituir Bolsonaro
Manifestantes participam de protestos convocados por partidos de centro-direita para destituir Bolsonaro NELSON ALMEIDA AFP

As manifestações contra o presidente Jair Bolsonaro, deste último domingo (12), convocadas pelo MBL (Movimento Brasil Livre) e pelo VPR (Vem Pra Rua) não apagam a história desses movimentos na opinião do cientista político Carlos Milani, professor da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro). Os protestos também não tinham a expectativa de "intimidar" Bolsonaro, segundo Sonia Fleury, do Centro de Estudos Estratégicos da Fundação Oswaldo Cruz.

Publicidade

Taíssa Stivanin, da RFI

“É muito difícil colocar junto MBL, Cidadania, Vem Pra rua e outras lideranças políticas, que tiveram um papel muito importante na desestabilização política pré-impeachment da presidente Dilma Rousseff”, diz o cientista político. “Essa é uma memória que permanece muito viva para os partidários do PT. É muito difícil imaginar a liderança do partido ou o ex-presidente Lula convocar protestos ao lado do MBL ou do Vem Para a Rua. Há 3 anos, o MBL estava fazendo campanha e chamando a rua a favor de Bolsonaro”, lembra Carlos Milani.

Segundo ele, "essas mudanças bruscas de comportamento" são percebidas pela população e pelas pessoas que têm um certo grau de politização. “A não-resposta, ou a resposta bastante frágil, à convocatória dos movimentos que organizaram o 12 de setembro, tem relação com uma boa dose de desconfiança”, ressalta.

"Temos que esperar um pouco e ver como serão os próximos atos. Os partidos como o PT, ou o PSOL, estão convocando outros atos para outros dias. Temos que ver a capacidade de mobilização desses partidos mais à esquerda, ou centro-esquerda, no espectro político e ideológico, para saber em que medida eles teriam uma capacidade de mobilização maior", explica. "Quando falamos desses partidos, não podemos nos esquecer da figura do ex-presidente Lula, que está articulando uma série de coalizões nos âmbitos estaduais e federal, pensando nas eleições de 2022."

Na opinião de Sonia Fleury, ficou claro que os protestos de domingo não visavam intimidar Bolsonaro. “Acho que o que faltou foi a construção de uma frente democrática, embora alguns setores, como empresários, mais de centro-direita, tenham ido para a rua, o que é uma novidade. Mas a construção dessa frente ainda está muito distante”, analisa. "Isso é que é importante para a democracia. Intimidar o Bolsonaro é impossível. A única coisa capaz de intimidá-lo, é pensar que ele ou seus filhos podem ser presos."

Sem força para o golpe

Para Sonia Fleury, Bolsonaro não tem força para dar um golpe. “Estamos em uma situação de impasse: não tem impeachment, mas também não tem golpe”, afirma, em meio à catástrofe da crise sanitária e ao aumento da inflação. “O pior é que Bolsonaro está conseguindo minar o estado e as instituições democráticas, e isso será muito difícil reconstruir. O golpe é diário, não é o golpe tradicional. É o pior que estamos vivendo, sem construir uma frente democrática”, declara.

Carlos Milani compartilha essa opinião. “O 7 de setembro deixou claro que o Bolsonaro não tem força para dar um golpe”, diz. “À medida que as eleições se aproximam, o que vai ficar claro é que os agentes políticos vão estar agindo muito mais em função das eleições que se aproximam do que apenas de um 'Fora Bolsonaro'".

Para ele, o avanço da campanha presidencial e o anúncio das coalizões vão determinar o tom dos próximos protestos contra o presidente. O cientista político também explica que, atualmente há um jogo de poder entre centro-direita e o centro-esquerda, em função das eleições. “É difícil unir todos esses movimentos e todos esses partidos, se olharmos para a trajetória histórica recente da política brasileira”, avalia.

Bolsonaro vai perder as eleições?

Segundo ele, sempre pode haver uma surpresa, mas a tendência é que o impeachment não aconteça e Bolsonaro perca as eleições. “Bolsonaro não consegue articular um discurso coerente, ou construir frases. A tática da confusão é permanente”, resume. "A fala dele na Paulista é uma fala de puro ódio. A expressão do rosto de Bolsonaro, se colocarmos em paralelo a expressão do rosto de Mussolini, e de Hitler, a diferença é muito pequena. É um discurso de muito ódio, com a diferença, talvez, de que ele não consiga, diferentemente das lideranças fascista e nazista, articular coerentemente um discurso", completa.

A grande questão agora é se o eleitorado anti-petista estará disposto a votar em Lula para que Bolsonaro deixe o poder. Segundo Carlos Milani, as pesquisas apontam para uma diminuição dessa rejeição. "Essa é a grande pergunta: qual é a margem do anti-petismo que permanece, a ponto de não superar o anti-bolsonarismo", avalia."A rejeição contra o Lula e o PT vêm diminuindo à medida que os meses vêm passando. Quem governa sempre tem o ônus do governo, no caso das políticas não darem certo", avalia. "Temos que acompanhar o quanto essa rejeição vai diminuir", resume. Sonia Fleury concorda: “O que é triste é pensar que a eleição possa vir a ser decidida não em torno de ideias e programas, mas de rejeição. O que está em jogo agora é quem tem o maior índice de rejeição”, lamenta.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.