Covid-19: Reino Unido acusa Rússia de tentar hackear dados de pesquisas de vacina

Reino Unido é um dos vários países conduzindo pesquisas para a vacina.
Reino Unido é um dos vários países conduzindo pesquisas para a vacina. AFP

O chefe da diplomacia britânica, Dominic Raab, declarou neste domingo (19) que está "absolutamente seguro" do envolvimento da Rússia em ataques cibernéticos para roubar dados sobre uma vacina contra o coronavírus.

Publicidade

Reino Unido, Estados Unidos e Canadá acusaram na quinta-feira (16) um grupo de hackers russos, operando "quase certamente no âmbito dos serviços de inteligência russos", de atacar organizações britânicas, canadenses e americanas para roubar os resultados de sua pesquisa sobre o desenvolvimento de uma vacina contra o SARS-CoV-2.

"Estamos absolutamente certos de que as agências de inteligência russas se envolveram em um ataque cibernético (...) para sabotar ou tirar proveito da pesquisa e desenvolvimento" de uma vacina, disse Raab à emissora Sky News.

"No momento em que o mundo está se unindo para tentar conter a COVID-19, especialmente para encontrar uma solução global de uma vacina, acho que é um tanto escandaloso e repreensível que o governo russo se envolva nessas atividades", acrescentou.

"Vamos responsabilizar a Rússia e trabalhar para tornar o mundo consciente da natureza de seus atos nefastos", enfatizou.

Moscou nega

Essas acusações foram completamente rejeitadas pelo embaixador russo em Londres, Andrei Kelin.

"Não acredito nessa história, não tem absolutamente nenhuma importância", disse ele em entrevista à BBC neste domingo, acrescentando que ouviu pela primeira vez sobre esses hackers na mídia britânica. Além disso, é impossível atribuir atos de pirataria informática a um país específico, acrescentou.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.