Covid-19: vacina da Novavax tem mais de 90% de eficácia, anuncia laboratório

A vacina anticovid-19 da Novavax tem uma eficácia de mais de 90%, inclusive contra as variantes do coronavírus - é o que afirma o laboratório americano, nesta segunda-feira (14), após um estudo em grande escala nos Estados Unidos.
A vacina anticovid-19 da Novavax tem uma eficácia de mais de 90%, inclusive contra as variantes do coronavírus - é o que afirma o laboratório americano, nesta segunda-feira (14), após um estudo em grande escala nos Estados Unidos. REUTERS - Dado Ruvic

O imunizante também neutraliza as novas variantes, anunciou a empresa nesta segunda-feira (14) após um estudo em grande escala feito nos Estados Unidos. Segundo um comunicado da empresa, ele mostrou "proteção de 100% contra formas moderadas e graves da Covid". 

Publicidade

De acordo com o laboratório, a pesquisa foi realizada com 29.960 participantes em 119 localidades nos Estados Unidos e no México e avaliou, com sucesso, a eficácia, a segurança e a toxicidade do produto.

A vacina NVX-CoV2373, nomenclatura oficial do produto, utiliza uma proteína recombinante - também utilizada no imunizante contra a gripe da empresa francesa Sanofi, a Flublok.

A tecnologia consiste em inserir uma parte de um gene do coronavírus em um baculovírus, que infecta especificamente células de insetos chamadas Sf9, gerando as proteínas Spike, usadas pelo SARS-Cov-2 para penetrar no organismo.

A produção dessas proteínas em células de insetos é mais rápida e barata em relação às de mamíferos, com resultado similar na resposta imunitária. Para melhorar a eficácia da vacina, Novavax misturou as proteínas Spike produzidas com um adjuvante, que potencializa a produção de anticorpos.

A empresa com sede em Maryland disse que pretende solicitar a aprovação dos órgãos reguladores até o terceiro trimestre de 2021. Depois de obtê-la, planeja fabricar 100 milhões de doses por mês até o final do terceiro trimestre, e 150 milhões de doses por mês, até o final do ano.

A empresa espera que o imunizante seja uma alternativa às vacinas existentes. "Hoje, a Novavax está mais perto de abordar a necessidade crítica e persistente de saúde pública mundial por vacinas Covid-19 adicionais", afirmou o CEO da empresa, Stanley Erck.

"A Novavax continua trabalhando para completar nossas solicitações de autorização regulatória e oferecer esta vacina, construída utilizando uma plataforma bem conhecida e comprovada, para um mundo que ainda tem uma grande necessidade de vacinas", declarou.

Conservação simples

Embora alguns países ricos tenham avançado na vacinação de suas populações, muitos outros estão sendo deixados de lado na campanha mundial de imunização, o que compromete o controle da epidemia e favorece o surgimento de novas variantes.

As taxas de vacinação nos países mais pobres do mundo estão muito abaixo das registradas nas potências industrializadas do G7 e em outrospaíses ricos. Considerando-se as doses administradas até o momento, o desequilíbrio entre o G7 e os países de baixa renda, conforme definição do Banco Mundial, é de 73 para um.

Ao contrário de algumas das vacinas que já estão sendo aplicadas, como é o caso da Cominarty, do laboratório Pfizer, por exemplo, o imunizante da Novavax, não precisa ser mantido em temperaturas muito baixas.

A empresa disse que fica "armazenada e estável entre 2°C e 8°C, permitindo o uso dos canais da cadeia de fornecimento de vacinas existentes para sua distribuição". Isso significa, pelo menos em tese, que estas vacinas devem ser transportadas e administradas mais facilmente em países com infraestruturas sanitárias menos desenvolvidas.

 (Com informações da AFP e RFI)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.