Ponto de não retorno para aquecimento global teria sido superado

Durante os 389 dias no mar, as equipes a bordo do quebra-gelo "Polarstern" coletaram muitas informações sobre a mudança climática, sobretudo nos meses que o navio permaneceu à deriva no gelo do Polo Norte.
Durante os 389 dias no mar, as equipes a bordo do quebra-gelo "Polarstern" coletaram muitas informações sobre a mudança climática, sobretudo nos meses que o navio permaneceu à deriva no gelo do Polo Norte. © Captura de tela

A temperatura global já teria superado um ponto não retorno. A advertência de um possível aquecimento irreversível do planeta foi feita nesta terça-feira (15) pelo cientista alemão que comandou a maior expedição enviada ao Ártico.

Publicidade

"Somente as observações que faremos nos próximos anos poderão nos indicar se ainda é possível salvar as geleiras do Ártico, presentes o ano todo graças a uma proteção do clima, ou se já superamos o ponto de não retorno", disse Markus Rex. O cientista fez o balanço oito meses após o retorno da missão internacional de um ano no Polo Norte.

"O desaparecimento das geleiras durante o verão no Ártico é uma das primeiras bombas de um campo minado, um dos primeiros pontos de não retorno que atingimos com um aquecimento exagerado" (global), detalhou o alemão em uma entrevista coletiva em Berlim, ao lado da ministra da Educação e Pesquisa Anja Karliczek. "Podemos nos perguntar se já não estamos andando sobre esta mina e se já não ativamos o início da explosão", completou o climatologista.

Ultrapassar o ponto irreversível acarretaria um "efeito dominó" com consequências catastróficas para o planeta, advertiu o cientista. Isso pode "agravar ainda mais o aquecimento com o desaparecimento da calota polar da Groenlândia ou o degelo de zonas amplas do permafrost [tipo de solo encontrado na região, constituído por terra, gelo e rochas permanentemente congelados] do Ártico".

“O epicentro do aquecimento global”

A maior expedição enviada ao Polo Norte, chamada MOSAIC, retornou à Alemanha em outubro de 2020. Na época, o chefe da missão alertou sobre a ameaça atual contra as camadas de gelo, que desaparecem a uma "velocidade dramática".

As equipes ficaram 389 dias no mar, a bordo do quebra-gelo "Polarstern". Elas coletaram muitas informações sobre as mudanças climáticas, principalmente nos meses em que o navio ficou à deriva no gelo do Polo Norte. O retrocesso das geleiras é considerado pelos cientistas o "epicentro do aquecimento global", segundo Rex.

(Com AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.