França/Moda

Semana da Moda de Paris começa em clima de fim de crise

Desfile primavera-verão da portuguesa, Fatima Lopes em Paris
Desfile primavera-verão da portuguesa, Fatima Lopes em Paris Reuters

Num jogo de palavras, neste ano os estilistas não "apertaram a cintura". Ao contrário da temporada passada, o clima desta Semana de Moda francesa voltou a ser luxuoso e diversas festas estão previstas, sem ninguém calcular as despesas.  

Publicidade

Noventa e um desfiles em nove dias, além das coleções off e dos showrooms, mostrarão as tendências e a criatividade de griffes como Balmain, Balenciaga, Givenchy e Céline, entre outras.

A novidade deste ano é a mudança dos desfiles, tradicionalmente realizados do Carrossel do Louvre, para uma tenda gigante no Museu do Grand Palais. A Federação Francesa da Costura também montou uma tenda na belíssima ponte Alexandre III, na Rive Droite.

Como já é tradição, o primeiro dia dos desfiles foi dedicado aos jovens estilistas, entre eles a dupla Aganovich, de Londres, e o italiano Anthony Vaccarello, descoberto pela bíblia da moda mundial, a revista Vogue americana.

Aos 88 anos, e uma boa sumida, Pierre Cardin também volta àas passarelas; outro ponto alto da temporada será o primeiro desfile de Sarah Burton para a marca Alexander McQueen, depois do suicídio do costureiro em fevereiro deste ano.

A estreia que interessa é a do britânico Giles Deacon para a marca Ungaro e a despedida fica, lamentavelmente,  para o divino Jean Paul Gaultier, que desenhou sua última coleção para a Maison Hermés.

Os novaiorquinos também dão seu toque para a próxima primavera-verão, como o estilista Zac Posen e a dupla Proenza Schouler.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.