Cultura/França

Arcos de aço modernizam Château de Versailles

Os arcos monumentais de Bernar Venet  parecem emoldurar o Château de Versailles.
Os arcos monumentais de Bernar Venet parecem emoldurar o Château de Versailles. DR
Texto por: Leticia Constant
3 min

A arte contemporânea está de volta à morada de Luís XIV. Depois dos artistas Jeff Koons, Xavier Veilhan e Takashi Murakami, agora é a vez do francês Bernar Venet, escultor de renome internacional, apresentar a sua criação.  

Publicidade

Os arcos imensos e de linhas puras, em aço marrom avermelhado, parecem envolver o castelo mais famoso da França. A ideia de Bernar Venet não é recente, o artista já vinha desenvolvendo o conceito há cinco anos, através da montagem das fotos de suas esculturas no parque.

Depois de receber carta branca para realizar a obra, Venet imaginou duas estruturas de oito arcos, com 22 metros de altura. Sua primeira intenção era colocar a instalação nos jardins, mas seu peso poderia afetar o terreno. A opção foi instalar a obra na Praça das Armas, do lado externo dos portões de entrada.
"Esta escultura não é um parênteses, mas uma moldura que envolve, ao mesmo tempo, a estátua equestre de Luís XIV, que está bem perto, e o Castelo, mais ao longe", explica o autor.

Além dos arcos monumentais, o artista também instalou outras seis obras em aço nos jardins de Versalhes e de Marly. Em menor dimensão, outros arcos e linhas indeterminadas podem ser vistos em outros pontos do monumento.

Arte e técnica

O artista Bernar Venet ao lado da maquete dos arcos monumentais.
O artista Bernar Venet ao lado da maquete dos arcos monumentais. DR

Para dar vida ao projeto de Bernar Venet, foi preciso o apoio de uma equipe de engenheiros belgas que trabalharam na concepção do Viaduto de Millau, no sul da França, uma ponte de 2.460 metros de comprimento. Uma verdadeira proeza técnica, presente até na qualidade do aço, chamado Corten, cujo tom valoriza a luz, especialmente no pôr do Sol.

Tanta arte tem um preço, o valor total do projeto ficou em torno de 2,5 milhões de euros, quase 6 milhões de reais.

A exposição estará aberta de 1° de junho a 1° de novembro.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.