Acessar o conteúdo principal
Cinema/Toulouse

Para cineasta, Brasil não se interessa por lusofonia

O especialista em cinema brasileiro Jean-Claude Bernadet.
O especialista em cinema brasileiro Jean-Claude Bernadet. Flickr/Universo Produção
Texto por: Patricia Moribe
9 min

Jean-Claude Bernadet, apesar do nome francês, é um dos mais importantes nomes do cinema brasileiro. Ele é cineasta, ensaísta, crítico, professor, romancista, ator e blogueiro. Bernadet, nascido na Bélgica em uma família francesa, chegou ao Brasil aos 13 anos, isso há 62 anos. Ele foi convidado pelo Festival Cinélatino, de Toulouse, para participar de uma mesa redonda a respeito da lusofonia.

Publicidade

Para Bernadet, o brasileiro não  entende o português falado pelos portugueses e não se interessa pela lusofonia. Ele compara o comportamento do brasileiro, que “declarou independência de Portugal”, com países africanos que ainda apresentam uma postura mais submissa:

 

"Os brasileiros não se interessam pela lusofonia"

 

Culturamente, o Brasil está isolado no que se refere a pertencer à América Latina ou a um bloco lusófono, opina Bernadet:

“Estamos desgarrados de raízes que proviriam da colonização e não falamos espanhol como nossos vizinhos”

 

 

Para Jean-Claude Bernadet, o Brasil está perdendo o complexo de inferioridade, está produzindo muito na área de cinema, mas ele alerta para a estrutura de produção no país. Segundo ele, o sistema de produção por renúncia fiscal estimula a quantidade, mas ela aliena o mercado e o público.

 

“A produção é desvinculada do mercado e do público”

A 24a edição do Festival Cinélatino de Toulouse acontece até 1° de abril.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.